Desenvolvimento e Avaliação de Usabilidade e Acessibilidade do Sonata: um Aplicativo para Auxiliar Crianças com Dislexia Auditiva

Autores

  • Gabriel Alves da Costa Departamento de Ciências Exatas Universidade Federal da Paraíba - Campus IV
  • Yuska Paola Costa Aguiar Departamento de Ciências Exatas Universidade Federal da Paraíba - Campus IV
  • Lucas Fernando Lopes da Silva Departamento de Ciências Exatas Universidade Federal da Paraíba - Campus IV
  • Douglas Valentim de Almeida Cardins Departamento de Ciências Exatas Universidade Federal da Paraíba - Campus IV

DOI:

https://doi.org/10.5753/rbie.2022.2193

Palavras-chave:

Recurso Digital de Aprendizagem, Dislexia Auditiva, Alfabetização, Usabilidade, Acessibilidade

Resumo

O Sonata é um jogo mobile para auxiliar crianças com dislexia auditiva no processo de alfabetizar-letrando, a partir da associação de grafemas e fonemas. Nele, o tempo e o percurso do aprendiz são respeitados ao permitir que a criança aprenda a partir da repetição e da mudança de níveis de dificuldade. Seu projeto foi antecedido pela análise de cinco soluções similares (Dyslexia learn letters, Dyslexia Go, Eye Game, Domlexia e Percival's Helps for Dyslexia) de forma a destacar seu diferencial. Para seu desenvolvimento adotou-se a EducAPI, cuja base de dados multimídia possibilita agrupar palavras por contextos a fim de personalizar o jogo aos interesses do aprendiz. O Sonata foi avaliado a partir do método de inspeção heurística, aplicado por três avaliadores com perfis complementares. A avaliação foi conduzida contemplando 43 recomendações de acessibilidade para dislexia e as 10 heurísticas clássicas de usabilidade. Como resultado, foram identificados 32 problemas, com predominância para o aspecto de Layout, Meios de comunicação e Títulos e Ênfase, as heurísticas de Visibilidade do status do sistema e Consistência e Padrões tiveram predominância de problemas, uma guia para o redesign do Sonata antes que o mesmo seja avaliado com os usuários finais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

American Psychiatric Association (APA), et al. Diagnostic and statistical manual of mental disorders (DSM-5). American Psychiatric Pub. 2013.

Barbosa, T., Cruz-Rodrigues C., de Toledo-Piza C. M. J., de Mello, C. B. A Experiência do NANI/CPN no Atendimento de Crianças e Adolescentes com Transtornos de Aprendizagem. In: NAVAS, Ana Luiza et. al. Guia de boas práticas: do diagnóstico à intervenção de pessoas com transtornos específicos de aprendizagem. São Paulo: Instituto ABCD, 2017. [GS Search]

Batista, E. J., da Silva, R. G., de Almeida, R. E., & Oliveira, K. S. (2019). Recomendações de Design para Interfaces de Jogos Acessíveis para Crianças Disléxicas. In Anais Estendidos do XVIII Simpósio Brasileiro sobre Fatores Humanos em Sistemas Computacionais (pp. 43-44). SBC. doi:10.5753/ihc.2019.8393. [GS Search]

Cabussú, M. A. S. (2009). Dislexia e estresse: implicações neuropsicológicas e psicopedagógicas. Revista Psicopedagogia, 26(81), 476-485. [GS Search]

Cidrim, L., & Madeiro, F. (2017). Tecnologias da Informação e da Comunicação (TIC) aplicadas à dislexia: revisão de literatura. Revista CEFAC, 19(1), 99-108. doi:10.1590/1982-021620171917916. [GS Search]

da Silva, M. N., Alves, R., & de Souza Rebouças, A. D. D. (2017). SisAlfa: Um Serviço Colaborativo para apoiar a criação de Sistemas para Alfabetização. In Anais dos Workshops do Congresso Brasileiro de Informática na Educação (Vol. 6, No. 1, p. 418). doi:10.5753/cbie.wcbie.2017.418. [GS Search]

de Souza, C. S. M., de Freitas Reis, M. B., de Freitas, G., & dos Santos, L. C. (2019). Tecnologia móvel e dislexia: possibilidades pedagógicas inclusivas pela interface do appmobile "silabando". Revista Brasileira de Política e Administração da Educação-Periódico científico editado pela ANPAE, 35(2), 539. [GS Search]

dos Santos, Jucelio Soares et al. (2014). Proposta de um jogo educacional para alfabetização de crianças com dislexia. In: Anais do Workshop de Informática na Escola. p. 457. doi:10.5753/cbie.wie.2014.457. [GS Search]

Fernandes, A. L. B., Santana, K. C., Batista, W. P., & Pereira, C. P. (2020). EASYREADER: Jogo Sério para Crianças com Dislexia. Revista Pró Ciências, 3(2), 22-39. [GS Search]

Fonseca, V. D. (2009). Dislexia, cognição e aprendizagem: uma abordagem neuropsicológica das dificuldades de aprendizagem da leitura. Revista psicopedagogia, 26(81), 339-356. [GS Search]

Gautto, R. G. (2015). Uso de jogos na estimulação de crianças com transtorno do neurodesenvolvimento na área da aprendizagem (dislexia). Cippus, 4(1), 67-87. [GS Search]

Godoy, D. Por que ensinar as relações grafema-fonema?. Revista Psicopedagogia, v. 25, n. 77, p. 109-119, 2008. [GS Search]

Gomes, A. S., & Gomes, C. R. A. (2019). Classificação dos tipos de pesquisa em Informática na Educação. Jaques, Patrícia Augustin; Pimentel, Mariano; Siqueira; Sean; Bittencourt, Ig.(Org.) Metodologia de Pesquisa em Informática na Educação: Concepção da Pesquisa. Porto Alegre: SBC. [GS Search]

Guimaraes, A. L., de Magalhães, R. D. C. B., de Oliveira Adiala, A., da Silva, F. S. C., Rubim, R. P., & de Carvalho, R. C. V. G. (2016). Educação e inovação: tecnologias educacionais para a superação das dificuldades de aprendizagem. Ciência Atual–Revista Científica Multidisciplinar do Centro Universitário São José, 8(2). [GS Search].

Junior, F., Silva, Z. (2018). Aplicação Mobile Para Auxiliar o Ensino e Aprendizagem do Alfabeto na Pré-escola. In: Anais dos Workshops do Congresso Brasileiro de Informática na Educação. p. 973. doi: 10.5753/cbie.wcbie.2018.973. [GS Search].

Justino, M.I.S.V. Efeitos do reforço escolar numa abordagem fônica em alunos do ensino fundamental com graves defasagens na alfabetização. 2010. 156f. Dissertação (Mestrado em Ciências) – Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 2010. [GS Search].

Khan, R. U., Oon, Y. B., Haq, M. I. U., & Hajarah, S. (2018). Proposed user interface design criteria for children with dyslexia. International Journal of Engineering & Technology, 7(4), 5253-5257. doi: 10.14419/ijet.v7i4.25496. [GS Search].

Lucena, G., Cidrim, L., & Madeiro, F. (2017). Um aplicativo para estimulação da memória visual em crianças disléxicas por meio do jogo de palavras cruzadas. In Brazilian Symposium on Computers in Education (Simpósio Brasileiro de Informática na Educação-SBIE) (Vol. 28, No. 1, p. 685). doi: 10.5753/cbie.sbie.2017.685. [GS Search].

Machado, G. Q. (2008). Aprendizagem da Leitura: Investigação acerca da polêmica gerada pelos Métodos de Alfabetização. Revista Língua&Literatura, 10(15), 109-120. [GS Search].

Nielsen, J. (1994). Heuristic evaluation. In Nielsen, J., and Mack, R.L. (Eds.), Usability Inspection Methods. John Wiley & Sons, New York, NY. doi: 10.1145/259963.260531. [GS Search].

Pimentel, M., Filippo, D., & Santoro, F. M. (2019). Design Science Research: fazendo pesquisas científicas rigorosas atreladas ao desenvolvimento de artefatos computacionais projetados para a educação. Metodologia de Pesquisa em Informática na Educação: Concepção da Pesquisa. Porto Alegre: SBC. [GS Search].

Rauschenberger, M., Rello, L., Baeza-Yates, R., Gomez, E., & Bigham, J. P. (2017). Towards the prediction of dyslexia by a web-based game with musical elements. In Proceedings of the 14th International Web for All Conference (pp. 1-4). doi: 10.1145/3058555.3058565. [GS Search].

Rello, L., Macías, A., Herrera, M., de Ros, C., Romero, E., & Bigham, J. P. (2017). DytectiveU: A game to train the difficulties and the strengths of children with dyslexia. In Proceedings of the 19th International ACM SIGACCESS Conference on Computers and Accessibility (pp. 319-320). doi: 10.1145/3132525.3134773. [GS Search].

Richart, M. B., & Bozzo, F. E. F. (2009). Detecção dos sintomas da dislexia e contribuições pedagógicas no aspecto ensino aprendizagem para alunos do ciclo 1 do ensino fundamental. Lins, São Paulo, 14. [GS Search].

Rotta, N. T., Ohlweiler, L., & dos Santos Riesgo, R. (2015). Transtornos da aprendizagem: abordagem neurobiológica e multidisciplinar. Artmed Editora. [GS Search]

Salina, T. (2015). As contribuições do método fônico nos anos iniciais de alfabetização. [GS Search].

Seeman, L., & Cooper, M. (2015). Cognitive accessibility user research. W3C First Public Working Draft, 15. [link]

Shaywitz, S. E., & Shaywitz, B. A. (2005). Dyslexia (specific reading disability). Biological psychiatry, 57(11), 1301-1309. doi: 10.1016/j.biopsych.2005.01.043. [GS Search].

Silva, N. S. M., & Crenitte, P. A. P. (2014). Perfil linguístico, familial e do gênero de escolares com diagnóstico de dislexia de uma clínica escola. Revista CEFAC, 16(2), 463-471. [GS Search]

Silva, T. D., & Vaz, M. R. T. (2019). O Processo de Alfabetização da Criança com Dislexia e as Práticas Pedagógicas. Psicologado.

Stolk, A. B., Casagrande, C. E., & Bernhardt, M. D. F. (2013). Aprendendo com as sílabas: software de apoio ao aprendizado de crianças com dislexia. In XVIII Congresso Internacional de Informática Educativa (pp. 413-418). [GS Search]

Arquivos adicionais

Publicado

2022-05-10

Como Citar

COSTA, G. A. da; AGUIAR, Y. P. C.; SILVA, L. F. L. da; CARDINS, D. V. de A. Desenvolvimento e Avaliação de Usabilidade e Acessibilidade do Sonata: um Aplicativo para Auxiliar Crianças com Dislexia Auditiva. Revista Brasileira de Informática na Educação, [S. l.], v. 30, p. 135–156, 2022. DOI: 10.5753/rbie.2022.2193. Disponível em: https://sol.sbc.org.br/journals/index.php/rbie/article/view/2193. Acesso em: 23 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos