Teatro do Oprimido na Educação em Design de Interação

  • Frederick M.C. van Amstel UTFPR

Resumo


A pesquisa sobre Educação em Design de Interação têm apontado para a necessidade de rever a prática reflexiva do ateliê de projetos frente ao uso crescente do material digital para intensificar opressões. Dentre as pedagogias críticas que estão sendo consideradas para trabalhar com esse fenômeno, o Teatro do Oprimido oferece um arsenal de técnicas para encenar, analisar, criticar e mudar situações cotidianas que reiteram opressões históricas entre grupos sociais. Essas técnicas permitem envolver ativamente o corpo no processo pedagógico, além de promover a criatividade estética e a participação democrática. Mais do que isso, revelam a dimensão política do projeto de interação e seu potencial para lutar contra a opressão.

Palavras-chave: Educação em design de interação, educação em IHC, Teatro do Oprimido, opressão.

Referências

Adam Alter. 2017. Irresistible: The rise of addictive technology and the business of keeping us hooked. Penguin.

Shaowen Bardzell. 2010. Feminist HCI : Taking Stock and Outlining an Agenda for Design. In Proceedings of the 28th International Conference on Human Factors in Computing Systems, 1301–1310.

Augusto Boal. 2014. Teatro do Oprimido: e outras poéticas políticas. Cosac Naify.

Nigel Cross. 2001. Designerly Ways of Knowing : Design Discipline Versus Design Science. Design Issues 17, 3.

Paulo Freire. 1970. Pedagogy of the Oppressed, trans. Myra Bergman Ramos. New York: Continuum.

R.F. Gonzatto e F.M.C. van Amstel. 2017. Designing oppressive and libertarian interactions with the conscious body. In Proceedings of the XVI Brazilian Symposium on Human Factors in Computing Systems, 22.

Rodrigo Fresse Gonzatto. 2018. Usuários e produção da existência: contribuições de Álvaro Vieira Pinto e Paulo Freire à interação humano-computador. UTFPR.

Jonas Löwgren e Erik Stolterman. 2007. Thoughtful Interaction Design: A Design Perspective on Information Technology. Cambridge, MIT Press.

Luiz Ernesto Merkle. 2016. Computar na Vida e Computar nas Ciências , nas Tecnologias, ou nas Artes (desafios sobre algumas poéticas do interagir). Cadernos de Informática 9, 1: 18–21.

Safiya Umoja Noble. 2018. Algorithms of oppression: How search engines reinforce racism. Nova Iorque, NYU Press.

Claudia Bordin Rodrigues. 2017. Projetar para a Esperança: prática de pesquisa em Design de Interação sobre as concepções de esperança de Paulo Freire. In Anais do CAPAihc.

Donald A Schön. 2009. Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Penso Editora.

Boaventura de Sousa Santos. 2018. O Fim do Império Cognitivo. Almedina, Lisboa, Portugal.

Ecivaldo De Souza Matos. 2013. Integração curricular por meio da prática de ensino interdisciplinar em IHC. CEUR Workshop Proceedings 1042, Weihc: 25–30.
Publicado
11/10/2019
Como Citar

Selecione um Formato
M.C. VAN AMSTEL, Frederick. Teatro do Oprimido na Educação em Design de Interação. In: PROPOSTAS DE MINICURSOS - SIMPÓSIO BRASILEIRO DE FATORES HUMANOS EM SISTEMAS COMPUTACIONAIS (IHC), 18. , 2019, Vitória. Anais [...]. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Computação, 2019 . p. 11-12. ISSN 2177-9384. DOI: https://doi.org/10.5753/ihc.2019.8377.