Universo da Psicologia: Serious Game para Promoção do Aprendizado no Sertão Baiano

  • Dandara B. Palhano Centro Universitário do Rio São Francisco
  • Amanda C. A. de Oliveira Centro Universitário do Rio São Francisco
  • Arkellenise M. N. B Leite Centro Universitário do Rio São Francisco
  • Brenda D. S. de Araújo Centro Universitário do Rio São Francisco
  • Marcos A. M. da Silva Centro Universitário do Rio São Francisco
  • Maria Clara Sandes Centro Universitário do Rio São Francisco
  • Maynara S. de Araújo Centro Universitário do Rio São Francisco
  • Pedro A. L. Vilela Centro Universitário do Rio São Francisco
  • Victor F. A. dos Santos Centro Universitário do Rio São Francisco
  • Nickolas R. dos S. e Santos Centro Universitário do Rio São Francisco
  • João Santos Neto Centro Universitário do Rio São Francisco

Resumo


A evasão do ensino superior atinge as mais diversas camadas, em especial no sertão. Os Serious Games (SG) são uma alternativa válida neste contexto, aliando o lúdico com o propósito específico do aprendizado. Apresenta-se neste artigo o SG Universo da Psicologia cujo design baseou- se na tétrade expandida voltada ao conteúdo específico e que faz uso de um sistema de inteligência baseado na Teoria de Resposta ao Item (TRI).

Palavras-chave: Serious Game, Psicologia, Teoria de Resposta ao Item

Referências

Barbosa, P. A., Murarolli, P. L. (2013) Jogos e novas tecnologias na educação. Perspectivas em Ciências Tecnológicas, v. 2, n. 2, p.39-48.

Barros Júnior, E. B. (2016) “Flat design em aplicativos móveis: definição, aplicações e avaliação de usabilidade”. Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso). UFPE, CAA, Design.

Birnbaum, A. (1957) “Efficient design and use of tests of mental ability for various decision-making problems”. School of Aviation Medicine, Series Report No. 58-16, Washington DC: USAF School of Aviation Medicine.

Bocchini, B. (2018) “Pesquisa mostra evasão de 30% em cursos superiores privados”. AgênciaBrasilSãoPaulo.Educação.27/09/2018.Disponível em: http://agenciabrasil.ebc.com.br/educacao/noticia/2018-09/pesquisa-mostra-evasao- de-30-em-cursos-superiores-privados

Brasil. (2011) Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. “O que é TRI?” Junho de 2011. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/artigo/-/asset_publisher/B4AQV9zFY7Bv/content/o-que-e-tri/21206

Cristofolini, M., Oliari, D. E. (2015) “A Tendência Do Flat Design Usada Atualmente Na Identidade Visual Das Marcas”. In: Intercom-XVI Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sul. Joinville.

Embretson, S. E., Reise, S. P.(2000) “Item response theory for psychologists”. Mahwah, NJ: L.

INEP. (2012) “Entenda a sua nota do ENEM Guia do participante”. Brasília-DF.

Machado, L. S., Costa, T. K. L., Moraes, R. M. (2018) Multidisciplinaridade e o desenvolvimento de serious games e simuladores para educaçao em saúde. Revista Observatório, v. 4, p. 149-172.

Mattar, J. (2010) “Games em educação: como os nativos digitais aprendem”. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Michael, D., David, R., Chen, S. L. (2005) “Serious games: Games that educate, train, and inform”. Muska & Lipman/Premier-Trade.

Neves, C. E. B, Raizer, L., Fachinetto, R. (2007) Educação superior para todos? Acesso, expansão e equidade: novos desafios para a política educacional. Sociologias, Porto Alegre, v.9, p. 124-157.

O'Brien, H. L., Toms, E. G. (2008) What is user engagement? A conceptual framework for defining user engagement with technology. Journal of the American society for Information Science and Technology, v.59, p. 938-955.

Pasquali, L. (2007) “Teoria de Resposta ao Item – TRI”. Brasília: LabPAM/UnB.

Ratan, R., Rabindra, A., Ritterfeld, U. (2009) “Classifying serious games”. In: Serious games. Rougledge, p. 32-46.

Santos, G., Silva, L. A. (2011) “A evasão na educação superior entre o debate social e o objeto de pesquisa”. In: Sampaio, S. (Org.). Observatório da vida estudantil: primeiros estudos. Salvador: EDUFBA.

Schell, J. (2011) “A arte de game design: o livro original”. Tradução: Edson Furmankiewicz. Rio de Janeiro: Elsevier.

Sena, A., Coelho, D. (2012) “Gameficação: uma análise das técnicas de engajamento atualmente utilizadas”. SBC-Proceedings of SBGames.

Silva, A. C. S., Falcão, T. P. (2019) “Virtualização de Jogos Matemáticos: uma Avaliação do Cubra Doze”. In Congresso Sobre Tecnologias Na Educação (CTRL+E) p. 50-59.

Tesser, G. J. (1994) Principais linhas epistemológicas contemporâneas. Educ. rev. n.10 Curitiba. Universidade Federal do Paraná.

Turkle, S. (1997) “A vida no ecrã: a identidade na era da Internet”. Lisboa: Relógio D’água.

Valente, J. A., Martins, M. C. (2011) O programa um computador por aluno e aformação de professores das escolas vinculadas à Unicamp. Revista GEMInIS, v. 2, p. 116-136.

Zichermann, G., Cunningham, C. (2011) “Gamification by Design: Implementing Game Mechanics in Web and Mobile Apps” 1st ed., Sebastopol (CAN): O’Reilly Media, Inc.
Publicado
31/07/2020
Como Citar

Selecione um Formato
PALHANO, Dandara B. et al. Universo da Psicologia: Serious Game para Promoção do Aprendizado no Sertão Baiano. In: CONGRESSO SOBRE TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO (CTRL+E), 5. , 2020, Evento Online. Anais [...]. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Computação, 2020 . p. 435-444. DOI: https://doi.org/10.5753/ctrle.2020.11421.