Uma Análise das Ocorrências de Fogo e Incêndios Florestais no Parque Nacional da Chapada Diamantina entre 2015 e 2020

  • Jaevillen F. Oliveira UEFS
  • Juliana A. Pinto UEFS
  • Daniel A. Costa UEFS
  • Adlla Katarine A. C. Passos UEFS
  • Wanderson B. Silva UEFS

Resumo


Incêndios florestais são considerados catástrofes ambientais e podem ser provocados por ações humanas ou por fatores naturais. A região do Parque Nacional da Chapada Diamantina (Chapada Diamantina Bahia) está entre as Unidades de Conservação Federais que registram grandes números de focos de incêndios. O estudo desta região, e de uma área circundante de 10km do parque, tem como objetivo identificar possíveis relações entre processos atmosféricos e a quantidade de ocorrências de focos de fogo. Para isso, foi utilizada uma série temporal de 6 anos (2015 2020) e coletados dados disponibilizados pelo INPE e INMET, contendo registros de ocorrências de focos de fogo e dados meteorológicos respectivamente.

Referências

Cazarré, M. (2015). Responsável por parque da chapada diamantina suspeita de incêndios criminosos. Disponível em: [link]. Acesso em: 8 Dez. 2020.

Costa, J. (2012). O fenômeno el niño e as secas no nordeste do brasil.

CPTEC/INPE (2020). Estações. Disponível em: https://clima1.cptec.inpe.br/estacoes. Acesso em: 8 Dez. 2020.

Filipe, M. and Serralha, N. (2015). Os impactos e consequências dos incêndios orestais. Disponível em: [link]. Acesso em: 21 Dez. 2020.

G1/Globo (2015). Fogo destruiu quase 8 mil hectares no parque da chapada em novembro. Disponível em: [link]. Acesso em: 8 Dez. 2020.

Giacomin, G. (2014). Ocorrências de incêndios em povoamentos orestais no norte do espírito santo e sul da bahia. Universidade Federal do Espírito Santo.

Marengo, J., Cunha, A., and Alves, L. (2016). A seca de 2012-15 no semiárido do nordeste do brasil no contexto histórico.

Mesquita, F., Lima, N., Gonçalves, C., Berlinck, C., and Lintomen, B. (2011). Histórico dos incêndios na vegetação do parque nacional da chapada diamantina, entre 1973 e abril de 2010, com base em imagens landsat. Biodiversidade Brasileira-BioBrasil, (2):228–246.

Miranda, H., e Silva, E. R., and Miranda, A. (1996). Comportamento do fogo em queimadas de campo sujo. Impactos de queimadas em áreas de cerrado e restinga, pages 1–10.

Rodrigues, R., Borges, E., and Franca-Rocha, W. (2011). Identicação das zonas de ocorrência de incêndios no parque nacional da chapada diamantina ba. XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto SBSR, pages 8043–8050.

Santos, D., Araujo, S. M., Araujo, K. D., Rosa, P. R., and JR, E. P. (2009). Variabilidade temporal da radiação solar e insolação no município de araguaína-to. Revista Raega, (18):35–40.

Torres, F. (2006). Relações entre fatores climáticos e ocorrências de incêndios orestais na cidade de juiz de fora (mg). Caminhos de Geograa, 7(18).

Torres, F., Ribeiro, G., Martins, S., and Lima, G. (2010). Determinação do período mais propício às ocorrências de incêndios em vegetação na área urbana de juiz de fora, mg. Revista árvore, 34(2):297–303.
Publicado
13/09/2021
Como Citar

Selecione um Formato
OLIVEIRA, Jaevillen F.; PINTO, Juliana A.; COSTA, Daniel A.; PASSOS, Adlla Katarine A. C.; SILVA, Wanderson B.. Uma Análise das Ocorrências de Fogo e Incêndios Florestais no Parque Nacional da Chapada Diamantina entre 2015 e 2020. In: ESCOLA REGIONAL DE BANCO DE DADOS (ERBD), 16. , 2021, Santa Maria. Anais [...]. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Computação, 2021 . p. 71-80. ISSN 2595-413X. DOI: https://doi.org/10.5753/erbd.2021.17240.