Clube do Resgate: Um jogo digital baseado em localização para a conscientização contra o abandono de animais

  • Mateus Pinheiro Universidade Federal do Ceará
  • Espedito Mesquita Universidade Federal do Ceará
  • Izac Sidarta Universidade Federal do Ceará
  • David Miranda Universidade Federal do Ceará
  • Patrick de Araújo Universidade Federal do Ceará

Resumo


A situação de abandono é vivenciada hoje por diversos animais em todo o Brasil. Essa realidade é um problema principalmente em grandes centros urbanos, onde esses animais são diariamente vítimas de acidentes de trânsito, envenenamentos, agressões físicas e doenças. O abandono de animais também é uma questão de saúde pública, visto que várias das doenças que afligem esses animais também possuem potencial de contágio em humanos, como por exemplo a hidrofobia (raiva) e leishmaniose (calazar). Sendo assim, vários veículos municipais atuam hoje no combate ao problema, realizando campanhas de vacinação, castração, adoção e conscientização sobre a causa, além de trazer outras informações para a população. Hoje, o ato de abandonar animais domésticos na rua, além de agravar o problema, configura crime federal, mas mesmo tal medida não impede que essa prática ocorra por todo o território nacional. Este documento relata o processo de design de uma solução digital para os problemas supracitados.

Palavras-chave: Design de jogos, processo de design, jogos baseados em localização, abandono de animais, conscientizaçã

Referências

Barbosa, S., & Silva, B. (2010). Interação humano-computador. Elsevier Brasil.

Behr, A., Moro, E. L. D. S., & Estabel, L. B. (2008). Gestão da biblioteca escolar: metodologias, enfoques e aplicação de ferramentas de gestão e serviços de biblioteca. Ciência da informação. Brasília. Vol. 37, n. 2 (maio/ago. 2008), p. 32-42.

Bland, D. (2012). Agile coaching tip–What is an empathy map? Available in http://www. bigvisible. com/2012/06/what-is-an-empathy-map.

BRASIL. Decreto-Lei n. 2.848, de 7 de dezembro de 1940. Código Penal. Rio de Janeiro, 1940. Disponível em: . Acesso em: 07 jul. 2019

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Manual de vigilância, prevenção e controle de zoonoses: normas técnicas e operacionais. Brasília: Ministério da Saúde, 2016.

Cavalcante¹, E., Rivero¹, L., & Conte¹, T. (2015). MAX: A Method for Evaluating the Post-use User eXperience through Cards and a Board. In: 27th International Conference on Software Engineering and Knowledge Engineering (SEKE 2015), 2015, Pittsburgh. Proceedings of the 27th International Conference on Software Engineering and Knowledge Engineering (SEKE 2015), 2015. v. 1. p. 495-500.

Chou, Y. K. (2016). Actionable gamification: Beyond points, badges, and leaderboards. Octalysis Media.

Ferreira, B., Barbosa, S., & Conte, T. (2018, October). Creating Personas focused on Representing Potential Requirements to Support the Design of Applications. In Proceedings of the 17th Brazilian Symposium on Human Factors in Computing Systems (p. 15). ACM.

ISO 9241-210:2019. Norma Internacional; classificação. Disponível em: . Acesso em 08 jul. 2019.

JACKSON, S. GURPS: generic universal role-playing system: modulo básico. São Paulo: Devir, 1994.

Lemos, A. (2010). Jogos móveis locativos: Cibercultura, espaço urbano e mídia locativa. Revista USP, (86), 54-65.

Rogers, Y., Sharp, H., & Preece, J. (2013). Design de Interação. Bookman Editora.

Segata, J. (2012). Os cães com depressão e os seus humanos de estimação. Anuário Antropológico, p. 177-204
Publicado
11/10/2019
Como Citar

Selecione um Formato
PINHEIRO, Mateus; MESQUITA, Espedito; SIDARTA, Izac; MIRANDA, David; DE ARAÚJO, Patrick. Clube do Resgate: Um jogo digital baseado em localização para a conscientização contra o abandono de animais. In: COMPETIÇÃO DE DESIGN - SIMPÓSIO BRASILEIRO DE FATORES HUMANOS EM SISTEMAS COMPUTACIONAIS (IHC), 18. , 2019, Vitória. Anais [...]. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Computação, 2019 . p. 61-65. ISSN 2177-9384. DOI: https://doi.org/10.5753/ihc.2019.8401.