Redes de Colaboração na Indústria Criativa: Etapas para Criação de um Comitê Gestor em um Cluster de Jogos Digitais

  • Milena Cherutti Feevale
  • Cristiano Max Pereira Pinheiro Feevale
  • Marta Rosecler Bez Feevale
  • Thomás Czrnhak Feevale

Resumo

O presente artigo toma por objetivo relatar as considerações e linhas guias para a construção de um comitê gestor, inerente ao cluster de jogos digitais do Rio Grande do Sul, o Cluster GameRS. Usufruiu-se de revisão bibliográfica de economias de aglomeração e governança, no intuito de balizar a seguinte problemática de pesquisa: quais são os agentes necessários para o desenvolvimento de um comitê gestor eficiente para a sustentabilidade econômica de um cluster de jogos digitais? Pode-se propor um modelo conceitual de comitê gestor envolvendo articulações entre uma Instituição de Ensino Superior, atores privados (desenvolvedores) e agências estatais de fomento e desenvolvimento setorial.

Referências

Agia, J. L. D. (2019). Governança colaborativa como eixo organizador das redes: exemplos de redes do programa nacional de alimentação escolar na região da Baixada Santista. Dissertação (Mestrado em Administração) - Universidade Paulista, São Paulo.

Albers, S. (2010). Configurations of Alliance Governance Systems. Schmalenbach Business Review, 62(3), 204-233. [link]

Ambros, C. C. (2018). Experiências subnacionais em políticas de promoção da indústria de defesa: o caso do Rio Grande do Sul. Austral; Revista Brasileira de Estratégia e Relações Internacionais, 7(14), 295-322. [link].

Bianchi, C., NASI, G., & Rivenbark, W. (2021). Implementing collaborative governance: models, experiences and challenges. Public Management Review, 23(11), 1581-1589. [link].

Bittencourt, B. A. et al. (2022). How to be more innovative in clusters? The influence of geographical agglomerations on its firms. Journal of the Knowledge Economy.

Chen, X. et al. (2020). Industrial clusters as drivers of sustainable regional economic development? An analysis of an automotive cluster from the perspective of firms’ role. Sustainability, 12(7), 1-22. [link].

Costa, M. H. B. C., Guimarães, S. M., & Borges, J. A. (2017). Experiência de política integrada de segurança alimentar e nutricional sustentável (SANS) em Minas Gerais. Segurança Alimentar e Nutricional, 24(1), 62-74. [link].

Cunha, J. A. C., & Terra, L. A. A. (2008). Diferenciando os clusters dos arranjos produtivos locais. Ciências Sociais Aplicadas em Revista, 8(15), 09-25. [link].

Darchen, S. (2016). "Clusters" or "communities"? Analyzing the spatial agglomeration of video game companies in Australia. Urban Geography, 37(2), 202-222. [link].

Dias, R.(2019). A prática da governança corporativa como estratégia de responsabilidade social. Artigo (Especialização em Gestão de Negócios) – Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Londrina.

Duranton, G., & Puga, D. (2004). Micro-foundations of urban agglomeration economies. In: Henderson, J. V.; Thisse, J. F (eds.). Handbook of regional and urban economics, 1ª ed. v. 4. Providence: Brown University Press.

Etzkowitz, H. (2013). Hélice tríplice universidade-indústria-governo: inovação em movimento. 2ª ed. Porto Alegre: EDIPUCSRS.

Evans, G. (2009). From cultural quarters to creative clusters – creative spaces in the new city economy. In: Legner, M. (ed.). The sustainability development of cultural quarters: international perspectives, 1ª ed. Estocolmo: Institute of Urban History.

Fernandes, B. S., Schmidt, V. K., & Zen, A. C. (2020). Distritos industriais, clusters e APL: uma análise comparativa de semelhanças e diferenças. Revista Estratégia & Desenvolvimento, 3(1). [link].

Giatti, L. L. et al. (2021). Pesquisa participativa reconectando diversidade: democracia de saberes para a sustentabilidade. Estudos Avançados, 35(103), 237-253. [link].

Grandadam, D., Cohendet, P., & Simon, L. (2013). Places, spaces and the dynamics of creativity: the video game industry in Montreal. Regional Studies, 47(10), 1701-1714. [link].

Grandori, A. (1997). An Organizational Assessment of Interfirm Coordination Modes. Organization Studies, 18(6), 875. [link].

Jones, C., Hesterly, W. S., & Borgatti, S. P. (1997). A general theory of network governance: exchange conditions and social mechanisms. Academy of Management Review, 22(4), 911-945. [link].

Kitchenham, B. (2004). Procedures for performing systematic reviews. Keele University Technical Report TR/SE-0401. [link].

Lehtnonen, M. J., Ainami, A., & Harviainen, J. T. (2020). The four faces of creative industries: visualizing the game industry ecosystem in Helsinki and Tokyo. Industry and Innovation, 27(9), 1062-1087. [link].

Nathan, M. (2020). Does light touch policy work? Evaluating the techcity programme. Research Policy, 51(9). [link].

Oliveira, M. L.; & Ramos, V. D. A. (2018). Cluster – arranjo produtivo local – como instrumento para o desenvolvimento sustentável. Quaestio Iuris, 11(4), 3352-3370. DOI: 10.12957/rqi.2018.35102,

Persegona, M.F.M. (2010). Cadastro nacional de inadimplentes ambientais: fundamentos e modo de operação. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Sustentável) – Universidade de Brasília, Brasília.

Porter, M. (1998). Clusters and the new economics of competition. Harvard Business Review, 11.

Prodanov, C. C., & Freitas, E. C. (2013). Metodologia do Trabalho Científico: Métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. Novo Hamburgo: Feevale.

Protogerou, A., Kontolaimou, A., & Caloghirou, Y. (2016). Innovation in the European creative industries: a firm-level empirical approach. Industry and Innovation, 24(6), 587-612. [link].

Provan, K. G., & Kenis, P. (2007). Modes of network governance: structure, management, and effectiveness. Journal of Public Administration Research and Theory, 18(2), 229-252. [link].

Ramírez-Pasillas, M. (2008). Resituating Proximity and Knowledge Cross-fertilization in Clusters by Means of International Trade Fairs. European Planning Studies, 16(5), 643-663. [link] dAccess=true&role=tab.

Rios, V. S. C. (2013). Inovação em políticas públicas: um estudo do comitê gestor do Plano de Desenvolvimento Regional Sustentável do Xingu. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade de Brasília, Brasília.

Salume, P. K., Guimarães, L. O., & Rantisi, N. M. (2019). Governance in clusters: an analysis from the perspective of system dynamics. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, 8(2), 341-364. [link].

Treichel, C. A. S. et al. (2019). Comitê gestor da pesquisa como dispositivo estratégico para uma pesquisa de implementação em saúde mental. Saúde Debate, 43(2), 35-47. [link].

Woitchunas, L. F. et al. (2018). Uma análise das vantagens competitivas de um território a partir do modelo diamante de Porter: o caso do APL metalmecânico pós colheita de Panambí/Condor - RS. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, 14(2), 300-324. [link].

Zallo, R. (2007). La economia de la cultura (y de la comunicacion) como objeto de estudio.

ZAR: Revista de Estudos de Comunicación, 12(22), 215-234. [link].

Zambon, P. S. (2020). Hubs criativos no desenvolvimento de jogos digitais. Tese (Doutorado em Comunicação) – Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação, Bauru.
Publicado
2023-11-06
Como Citar
CHERUTTI, Milena et al. Redes de Colaboração na Indústria Criativa: Etapas para Criação de um Comitê Gestor em um Cluster de Jogos Digitais. Anais Estendidos do Simpósio Brasileiro de Jogos e Entretenimento Digital (SBGames), [S.l.], p. 1149-1160, nov. 2023. ISSN 0000-0000. Disponível em: <https://sol.sbc.org.br/index.php/sbgames_estendido/article/view/27908>. Acesso em: 18 maio 2024. doi: https://doi.org/10.5753/sbgames_estendido.2023.233900.
Seção
Trilha de Indústria – Artigos Completos