Promovendo a Colaboração Interdisciplinar na Saúde: Uma Abordagem Baseada em Papéis para a Construção de um Jogo RPG Sensibilizador

  • Márcio S. Camilo INC
  • Claudia L. R. Motta UFRJ

Resumo

A formação interdisciplinar de profissionais de saúde pode trazer robustez e qualidade ao trabalho hospitalar. Contudo, como proporcionar experiências sensibilizadoras para os benefícios da cooperação? Para isso, cada membro da equipe deve ter um perfil técnico-ético amadurecido, saber seu papel na equipe e os conflitos devem ser tratados de forma a tornar-se oportunidades. Visando fomentar a cooperação, optou-se pelos Role Playing Games (RPG) pois apresentam ludicidade e promovem o engajamento para o trabalho em equipe. Esse artigo apresenta a descrição de uma metodologia para construção de tais jogos e estratégias de desenvolvimento de competências baseadas em papéis desempenhados em uma equipe.

Referências

Azevedo, G., Lima, L., Sarinho, V. (2020). Dengueside Survival: Produzindo um Jogo de Tabuleiro Estilo RPG para o Combate ao Mosquito Aedes Aegypti. In “Proceedings of SBGames 2020”.

Bejarano, V., Pilatti L., de Oliveira A. e Kovaleski J. (2005) “Como formar equipes com o equilíbrio ideal de personalidades e perfis pessoais: a teoria e as ferramentas de Meredith Belbin”. In XXXIII Congresso Brasileiro de Ensino de Engenharia, Sep.

Belbin, M. “Team Roles at Work. Second Edition”. Oxford: Elsevier, 2010.

Brown, J., Lewis, L., Ellis, K., Stewart, M., Freeman, T., Kasperski M. (2011). “Conflict on interprofessional primary health care teams – can it be resolved?” Journal of Interprofessional Care, vol. 25, pp 4-10.

Camilo, M., Cheng, C., Nascimento, J, Ribeiro, L., Pires, E., Martins, S (2016). “Jogos sérios para a saúde:” uma revisão narrativa. In: Simpósio Brasileiro de Informática na Saúde, 15, Goiânia.

Codá, V., Silva, E., Vasconcellos, M. (2020). O chamado do Curupira: a utilização de um RPG com conceitos de saúde e meio ambiente. In “Proceedings of SBGames 2020”.

Costa, R., Miranda, F. (2008). “Formação profissional no SUS: oportunidades de mudanças na perspectiva da estratégia de saúde da família”. Trab. educ. saúde, vol. 6, no. 3.

Crawford, C. (1984). “The Art of Computer Game Design”. Berkeley: Osborne/McGraw-Hill.

Dungeons & Dragons. (2014). “Player's Handbook”. Wizards of the coast.

Fewster-Thuente, L., e Velsor-Friedrich, B. (2008). “Interdisciplinary collaboration for healthcare professionals”. Nursing administration quarterly, vol. 32, no. 1, pp 40-48.

Fjeldstad, O., Snow, C., Miles, R., Lettl, C. (2012). “The architecture of collaboration”. Strateg Manag J, vol. 33, no. 6, pp 734-750.

Freire, J., Costa, M., Magnago, C. e Forster, A. (2018). Atitudes para a colaboração interprofissional de equipes da Atenção Primária participantes do Programa Mais Médicos. “Revista Latino-Americana de Enfermagem”, vol. 26.

Gardner, D. (2005). “Ten Lessons in Collaboration”. OJIN. vol. 10, no. 1.

Gelbcke, F., Matos, E., Sallum, N. (2012). “Desafios para a integração multiprofissional e interdisciplinar”. Revista Tempus Actas de Saúde Coletiva, Brasília, vol. 6, no. 4, p. 31-39.

Gerhardt, T., Silveira, D (2009). “Métodos de pesquisa”. Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Gil, A (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas.

Guerra, A., Oliveira, S., & Furtado, J. (2022). ConES: Um RPG como Instrumento de Apoio ao Ensino da Construção de Produto de Software. In “Anais Estendidos do XXI Simpósio Brasileiro de Jogos e Entretenimento Digital”, p. 633-642. Porto Alegre: SBC. DOI: 10.5753/sbgames_estendido.2022.225435,

Harvey, C., Koubek, R. (2000). “Cognitive, Social, and Environmental Attributes of Distributed Engineering Collaboration: A Review and Proposed Model of Collaboration”. Human Factors and Ergonomics in Manufacturing, vol. 10, no. 4, pp 369–393.

Harvey, C., Koubek, R. (2000). “Cognitive, Social, and Environmental Attributes of Distributed Engineering Collaboration: A Review and Proposed Model of Collaboration”. Human Factors and Ergonomics in Manufacturing, vol. 10, no. 4, pp 369–393

Huizinga, J. (2008). “Homo Ludens”. O Jogo como Elemento na Cultura. São Paulo: Perspectiva.

Jackson, S., Pulver, D., Punch, S. (2008). “Gurps”. Fourth Edition. Basic Set: Characters. Steve Jackson Games.

Juul, J. (2013). “The Art of Failure”: An Essay on the Pain of Playing Video Games. Cambridge: MIT Press.

Klein, J. (2010). A taxonomy of interdisciplinarity. “The Oxford handbook of interdisciplinarity”, 15, 15-30.

Koster, R. (2005). “A Theory of Fun for Game Design”. Scottsdale: Paraglyph Press.

Leitão, L. (2020). "Role-Playing Game (RPG) na aprendizagem das quatro operações aritméticas: uma interlocução Winnicottiana." (2020).

Liberati, E., Gorli, M., Scaratti, G. (2016). “Invisible walls within multidisciplinary teams: Disciplinary boundaries and their effects on integrated care”. Social Science e Medicine, vol. 150, pp 31-39.

Lindeke, L., Sieckert, A. (2005). “Nurse-Physician Workplace Collaboration”. Online J Issues Nurs, vol. 10.

Lotrecchiano, G.; Misra, S. (2018). “Transdisciplinary Knowledge Producing Teams: Toward a Complex Systems Perspective”. Informing Science: The International Journal of an Emerging Transdiscipline. V. 21, p. 51-74.

Mackintosh, S., Adams, C., Singer-Chang, G. e Hruby, J. (2011) “Osteopathic Approach to Implementing and Promoting Interprofessional Education”. Journal of Osteopathic Medicine, vol. 111, no. 4, pp. 206-212. DOI: 10.7556/jaoa.2011.111.4.206.

Marques, C., de Oliveira, C., e Fernandes, R. (2019). “Metodologia neurocientífica-pedagógica aplicada à concepção de jogos para ativação das funções cognitivas de estudantes da educação básica”. Jornada de Atualização em Informática na Educação, vol. 8, no. 1, 1.

Mattar, J. (2013). “Games em educação: como os nativos digitais aprendem”. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Melero, J., Davinia, H., Blat, J. (2011). “A Review of Scaffolding Approaches in Game-based Learning Environments”. In: European Conference on Games-based Learning..

Mickan, S., Rodger, S. (2000). “Characteristics of effective teams: a literature review”. Aust Health Rev, vol. 23, no. 3, pp 201-209.

Minayo, M (2014). “O desafio do conhecimento”. Pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec.

Novak, J. (2022). “Game development essentials:” an introduction. 4th Edition. Santa Monica: Novy Unlimited.

Pype, P., Mertens, F., Helewaut, F., Krystallidou, D. (2018). “Healthcare teams as complex adaptive systems: understanding team behaviour through team members’ perception of interpersonal interaction”. BMC Health Serv. Res, vol. 18.

Rabin, S. (2011). “Introdução ao desenvolvimento de games” – Volume 1: Entendendo o universo dos jogos. Cencage Learning.

Ribeiro, S., Dias, C., Carvalho, F., Ribeiro, F., Percini, C., Gomes, H., Bottino, F., Dick, O., Nascimento, D., & Vasconcellos, M. (2022). Ciência em Jogo: criação coletiva de RPG sobre mulheres na Ciência. In “Anais Estendidos do XXI Simpósio Brasileiro de Jogos e Entretenimento Digital”, p. 1121-1125. Porto Alegre: SBC. DOI: 10.5753/sbgames_estendido.2022.226096,

Seminotti, N. (org.). (2016). “O pequeno grupo como um sistema complexo: uma estratégia inovadora para produção de saúde na atenção básica”. Porto Alegre: Rede Unida.

Silva, M., Quintana, S., Santos, A., Belchior, M., & Barbosa, R. (2022). Gorim: um Jogo RPG para a Gestão de Recursos Hídricos. In “Anais Estendidos do XXI Simpósio Brasileiro de Jogos e Entretenimento Digital”, p. 816-825. Porto Alegre: SBC. DOI: 10.5753/sbgames_estendido.2022.226030,

Vilela, E., Mendes, I. (2013). “Interdisciplinaridade e saúde: estudo bibliográfico”. Rev. Latino-Am. Enfermagem, vol.11, no. 4, p. 525-531.

Vivet, P., Acosta D., Davidson, T., Jones A. e Keshtgar. (2011) “Cancer Multidisciplinary Team Meetings: Evidence, Challenges, and the Role of Clinical Decision Support Technology”. International Journal of Breast Cancer, vol. 2011, Article ID 831605, 7 pages. DOI: 10.4061/2011/831605

Yin, R (2001). “Estudo de caso:” planejamento e métodos. Bookman.
Publicado
2023-11-06
Como Citar
CAMILO, Márcio S.; MOTTA, Claudia L. R.. Promovendo a Colaboração Interdisciplinar na Saúde: Uma Abordagem Baseada em Papéis para a Construção de um Jogo RPG Sensibilizador. Anais Estendidos do Simpósio Brasileiro de Jogos e Entretenimento Digital (SBGames), [S.l.], p. 1235-1247, nov. 2023. ISSN 0000-0000. Disponível em: <https://sol.sbc.org.br/index.php/sbgames_estendido/article/view/27916>. Acesso em: 18 maio 2024. doi: https://doi.org/10.5753/sbgames_estendido.2023.233998.