Jogos digitais para estudantes surdos: um framework na perspectiva do Desenho Universal para a Aprendizagem

  • Daieli Althaus UFSC
  • Daniela Karine Ramos UFSC

Resumo

Esse artigo é um resumo de uma dissertação sobre jogos digitais educativos para surdos. Utilizou-se a abordagem de procedimentos Design-Based Research (DBR) em quatro fases: 1) identificação do problema 2) construção da proposta de intervenção; 3) ciclos iterativos; e 4) reflexões e perspectivas de novos melhoramentos na solução implementada. O produto pedagógico resultante dessa pesquisa é um framework conceitual que visa colaborar para o desenvolvimento de jogos digitais que qualifiquem a experiência educacional de estudantes surdos estando em consonância com os princípios pedagógicos bilíngues para surdos e acessíveis ao maior número de estudantes possível.

Referências

Bock, G. L. K.; Gesser, M.; NuernberG, A. H.. (2018) Desenho Universal para a Aprendizagem: a Produção Científica no Período de 2011 a 2016. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v.24, n.1, p.143-160, Jan.-Mar.

Brasil. (2005) Casa Civil. Decreto Nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Brasília.

Brasil (2002) Casa Civil. LEI Nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências. Brasília.

CAST. (2018) Diretrizes de Design Universal para Aprendizagem versão 2.2. [link]

CAST. (2011) Universal Design for Learning Guidelines version 2.0. Wakefield: Author.

Gee, J. P. (2009) Bons videogames e boa aprendizagem. Perspectiva 27.1, p.167-178.

Gesser, A. (2009) LIBRAS? Que língua é essa?: crenças e preconceitos em torno da língua de sinais e da realidade surda. São Paulo: Parábola.

Huizinga, J. (1996) Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. 4ª ed. Ed. Perspectiva: São Paulo.

Matta, A. E. R.; Silva, F. P. S.; Boaventura, E. M. (2014) Design-based research ou pesquisa de desenvolvimento: metodologia para pesquisa aplicada de inovação em educação do século XXI. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, Salvador, v.23, n.42, p.23-26.

McGonigal, J. (2012) A realidade em jogo: porque os games nos tornam melhores e como eles podem mudar o mundo. Rio de Janeiro: BestSeller, Minayo, M. C. S. (Org.) (2002) Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 21ed. Petrópolis: Vozes.

Perlin, G. (1988) Histórias de vida surda: identidades em questão. Porto Alegre. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Prensky. M. (2001) Digital Game Based Learning. New York: McGraw-Hill.

Quadros, R. M. and Schmiedt, M. L. P. (2006) Ideias para ensinar português para alunos surdos. Brasília: MEC, SEESP.

Quadros, R. M. (2008) Educação de surdos: a aquisição da linguagem. 1. ed. Porto Alegre: Artmed.

Salen, k.; Zimmerman, E. (2012) Regras do jogo: fundamentos do design de jogos. V. 1. São Paulo: Blucher.

Schell, J. (2011) A arte de game design: o livro original. Rio de Janeiro: Elservier.

Schuytema, P. (2008) Design de games: uma abordagem prática. São Paulo: Cengage Learning.

Shehabuddeen, N. et al. (1999) Representing and Approaching Complex Management Issues: Part 1 - Role and definition. Centre for Technology Management (CTM) Working Paper, n. 2000/03.

Strobel, K. (2009) História da educação de surdos. In: Curso de Licenciatura em Letras Libras. Florianópolis: UFSC.
Publicado
2023-11-06
Como Citar
ALTHAUS, Daieli; RAMOS, Daniela Karine. Jogos digitais para estudantes surdos: um framework na perspectiva do Desenho Universal para a Aprendizagem. Anais Estendidos do Simpósio Brasileiro de Jogos e Entretenimento Digital (SBGames), [S.l.], p. 1366-1371, nov. 2023. ISSN 0000-0000. Disponível em: <https://sol.sbc.org.br/index.php/sbgames_estendido/article/view/27932>. Acesso em: 18 maio 2024. doi: https://doi.org/10.5753/sbgames_estendido.2023.235552.
Seção
Concurso de Teses e Dissertações – Mestrado