CatchmentView: Uma ferramenta para a análise e comparação de IPv4 e IPv6 catchments

  • Leonardo Costella Universidade de Passo Fundo - UPF
  • Marco Trentin UPF
  • Ricardo de Oliveira Schmidt University of Passo Fundo

Resumo


Com o crescimento da adoção do IPv6, muitos serviços estão operando no formato dual-stack, ou seja, configurados e aptos a receberem requisições em IPv4 e IPv6. O ideal seria que a performance em ambos os protocolos fosse a mesma. Entretanto, devido a políticas de roteamento requisições em IPv4 e IPv6 para um mesmo serviço podem ser roteadas de uma maneira completamente diferente. Esse problema, acentua-se em serviços que utilizem anycast. Baseado no fato de que ferramentas de monitoramento são importantes aliados na busca de uma melhor eficiência dos serviços disponibilizados, neste trabalho desenvolveu-se uma ferramenta visual para observar e monitorar as diferenças entre o IPv4 e IPv6 catchment em serviços anycast.

Referências

Bartolomeo, M. D. (2016). Visual Analytics of Network Routing Through Traceroute Data: Models and Techniques. Doctoral school in computer science and automation, Roma Tre University Doctoral.

Candela, M. (2017). TraceMON: Network Debugging Made Easy -RIPE Labs.

Moura, G. (2017). Turning on Anycast on B-Root.

Nikkhah, M. and Guerin, R. (2016). Migrating the Internet to IPv6: An Exploration of the When and Why. IEEE/ACM Transactions on Networking, 24(4):2291-2304.

Schmidt, R. d. O., Heidemann, J., and Kuipers, J. H. (2017). Anycast Latency: How Many Sites Are Enough? In Passive and Active Measurements (PAM) conference.

Wicaksana, M. A. (2016). IPv4 vs IPv6 Anycast Catchment: A Root DNS Study. Master's thesis, University of Twente.
Publicado
06/05/2019
Como Citar

Selecione um Formato
COSTELLA, Leonardo; TRENTIN, Marco; SCHMIDT, Ricardo de Oliveira. CatchmentView: Uma ferramenta para a análise e comparação de IPv4 e IPv6 catchments. In: SALÃO DE FERRAMENTAS - SIMPÓSIO BRASILEIRO DE REDES DE COMPUTADORES E SISTEMAS DISTRIBUÍDOS (SBRC), 2. , 2019, Gramado. Anais [...]. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Computação, 2019 . p. 49-56. ISSN 2177-9384. DOI: https://doi.org/10.5753/sbrc_estendido.2019.7769.