O Uso da Tecnologia Assistiva e das Metodologias Ativas no Acompanhamento de Alunos com Autismo em Momento Pandêmico

  • Gleisson Roger de Paula Coêlho UFMT
  • Éder Gomes de Oliveira UFMT

Resumo


O presente artigo tem por objetivo trazer algumas reflexões sobre as dificuldades e desafios de professores regentes e professores especialistas da Sala de Recursos Multifuncionais (SRM) em relação a alunos com autismo na Educação Básica levando em consideração o momento pandêmico. O autismo que pode ser definido como transtorno global do desenvolvimento infantil normalmente se manifesta antes dos 3 anos de idade e se prolonga por toda a vida; traz algumas limitações para o aprendizado e consequentemente para o desenvolvimento. Para a criança com Transtorno do Espectro Autista (TEA) em que a sociabilidade é importante, o uso de Tecnologia Assistiva possibilita o acesso e o uso de ferramentas necessárias para sua participação e desenvolvimento de suas habilidades, com uma maior autonomia, contribuindo para a inclusão. Para tanto se utilizará da metodologia qualitativa, de natureza exploratória, na modalidade de estudo de casos múltiplos.
Palavras-chave: Autismo, Educação Básica, Inclusão, Pandemia, Tecnologia Assistiva

Referências

American Psychiatric Association. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-5. Trad. Maria Inês Corrêa Nascimento et al., 5. ed., Porto Alegre: Artmed, 2014.

AINSCOW, M.; FERREIRA, W. Compreendendo a educação inclusiva: algumas reflexões sobre experiências internacionais. In. RODRIGUES, D. Perspectivas sobre inclusão: da educação à sociedade. Porto: Porto Editora, 2003, p. 103-116.

BORGES, F. G. B. A construção do letramento digital em crianças em fase de alfabetização. Recife, 2013. 292 f. Tese (doutorado) - UFPE, Centro de Artes e Comunicação, Programa de Pós-graduação em Letras, 2013

BRASIL. Constituição da República Federativa de 05 de outubro de 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm> Acesso em: 24 ago. 2021.

______. Ministério da Educação. Conselho Pleno/Conselho Nacional de Educação. Parecer do Calendário Escolar e da possibilidade de cômputo de atividades não presenciais para fins de cumprimento de carga horária anual, em razão da Pandemia da COVID-19. 28 de abril de 2020. Brasília, DF, 2020. Disponível em: [link]. Acesso em: 23 ago. 2021.

______. Lei nº 13.146 de 06 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm>. Acesso em: 09 out. 2021.

CUNHA, E. Afeto e Aprendizagem: Relação de Amorosidade e Saber na Prática Pedagógica. 4. ed. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2017.

DELORS, J. (Org.) et al. Educação Um tesouro a descobrir: Relatório para a comissão internacional sobre Educação para o século XXI. 8. ed. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: MEC: Unesco, 2003.

FONTES, R. S. Ensino colaborativo: uma proposta de educação inclusiva. Araraquara, SP: Junqueira & Marin, 2009

GADIA, C.; ROTTA, N. T. Aspectos clínicos do transtorno do espectro autista. In. ROTTA, N. T.; OHLWEILER, L.; RIESGO, R. S. Transtornos da aprendizagem: abordagem neurobiológica e Multidisciplinar [recurso eletrônico] 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2016. p. 368 – 376.

GRANDIN, T,; PANEK, R. O cérebro autista: pensamento através do espectro. 10. ed. Rio de Janeiro: Record, 2019.

IMBERNÓN, F. Formação docente e profissional: formar-se para a mudança e a incerteza. São Paulo: Cortez, 2000.

ORRÚ, S. E. A Formação de Professores e a Educação de Autistas. Revista Iberoamericana de Educación(Online), Espanha, v. 31, 2003, p. 01-15.

PINTO, C. Escola e autonomia. In: DIAS, A. et al. A autonomia das escolas: um desafio. Lisboa: Texto, 1988.

ROJO, Roxane. Escol@ conectada: os multiletramentos e as TICs. organização ROJO, Roxane (Org.). São Paulo: Parábola, 2013.

SANTOS, E. Pesquisa-formação na cibercultura (E-book). Teresina: EDUFPI, 2019.

SAVIANI, D. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 8. ed. Campinas/SP: Autores Associados, 2003.

STAINBACK, S.; STAINBACK, W. Inclusão - Um Guia para Educadores. Porto Alegre: Artmed Editora,1999.

TANNÚS-VALADÃO, G.; MENDES, E. G. Inclusão escolar e o planejamento educacional individualizado: estudo comparativo sobre práticas de planejamento em diferentes países. Revista Brasileira de Educação, v. 23, 2018, p. 01-18.

VALLE, J. W.; CONNOR, D. J. Rethinking Disability: A Disability Studies Approach to Inclusive Practices. 1st ed. New York: The McGraw-Hill, 2014. ISBN 978-0073526041.

VILARONGA, C.A.R; MENDES, E. G. Ensino colaborativo para o apoio à inclusão escolar: práticas colaborativas entre os professores. Rev. bras. Estud. pedagog. (online), Brasília, v. 95, n. 239, jan./abr. 2014, p. 139-151.

ZABALA, A. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: ARTMED, 1998.

ZERBATO, A.P.; MENDES, E. G.. Desenho universal para a aprendizagem como estratégia de inclusão escolar. Educação Unisinos 22(2):147-155, abril-junho 2018 Unisinos. Disponível em: [link]. Acesso em 23 ago. 2020.

WEISZ, T. O diálogo entre o ensino e a aprendizagem. São Paulo: Ática, 2002.
Publicado
08/11/2021
Como Citar

Selecione um Formato
COÊLHO, Gleisson Roger de Paula; OLIVEIRA, Éder Gomes de. O Uso da Tecnologia Assistiva e das Metodologias Ativas no Acompanhamento de Alunos com Autismo em Momento Pandêmico. In: ANAIS PRINCIPAIS DO SEMINÁRIO DE EDUCAÇÃO (SEMIEDU), 29. , 2021, Cuiabá. Anais [...]. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Computação, 2021 . p. 390-401. ISSN 2447-8776.