ML-SAI: Um Modelo Pedagógico para Atividades de M-Learning que Integra a Abordagem da Sala de Aula Invertida

  • Ernane Martins IFG
  • Luís Gouveia Universidade Fernando Pessoa

Resumo


Este presente trabalho tem como objetivo apresentar uma análise das estratégias do modelo pedagógico ML-SAI, o qual foi desenvolvido para orientar atividades de m-learning, fundamentado na Teoria da Sala de Aula Invertida (SAI). Para tal foi realizada uma pesquisa bibliográfica sobre os modelos pedagógicos, os aspectos relacionados à m-learning, os princípios básicos da SAI e apresenta-se a estrutura e estratégias do ML-SAI. A seguir, analisou-se os resultados encontrados com a experimentação do modelo, na disciplina de introdução a programação, promovendo algumas reflexões e considerações sobre o mesmo. Estas analises revelaram, que o modelo, colabora positivamente com a aquisição de conhecimentos e competências.

Referências

Barcelos, R. J. S.; Tarouco, L. and Berch, M. (2009). O uso de mobile learning no ensino de algoritmos. Revista Novas Tecnologias na Educação, Porto Alegre, v. 7, n. 2, p. 1-11.

Behar, P. A. (2009). Modelos pedagógicos em educação a distância. 311 p. Porto Alegre: Artmed.

Behar, P. A.; Passerino, L. and Bernardi, M. (2007). Modelos Pedagógicos para Educação a Distância: pressupostos teóricos para a construção de objetos de aprendizagem. Revista Novas Tecnologias na Educação, Porto Alegre, v.5, n. 2, p. 1-12.

Bergmann, J. and Sams, A. (2016). A. Sala de aula invertida: uma metodologia ativa de aprendizagem. 1 ed. Rio de Janeiro: LTC. 114 p.

Chen, E. Z. (2014). Flipped Classroom Model and Its Implementation in a Computer Programming Course. Lärarlärdom, v. 2014, p. 180-200.

De Bona, A. and Paravisi, M. (2016). O Whatsapp: um espaço de construção escolar e administrativa. Revista Thema, Pelotas, v.13, n.1, p. 15-23.

Duda, R. and Rutz Da Silva, S. De C. (2015). A tecnologia como recurso auxiliary na ressignificação do processo resolutivo de equações. Revista Tecnologias na Educação. Ano 7, n. 13, p.1-11.

Franciscato, F. T. and Medina, R. D. (2008). M-Learning e Android: um novo paradigma? Revista Novas Tecnologias na Educação, Porto Alegre, v. 6, n. 1, p. 1-10.

Gil, A. C. (1999). Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas.

Leite, F. N.; Hoji, E. S. and Abdala Junior, H. (2018). A Blended Learning Method Applied in Data Communication and Computer Networks Subject. IEEE Latin America Transactions, v. 16, n. 1, p. 163-171.

Martins Da Silva, F. C., Sampaio Lima, A. E. and Bandeira Andriola, W. (2016). Avaliação do suporte de TDIC na formação do pedagogo: Um estudo em Universidade Brasileira. REICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación, 14(3), 77-93.

Medeiros, R. A. C. and Bessa, A. (2017). MiniTeste: uma ferramenta ágil para aplicação de avaliações personalizadas. Revista Novas Tecnologias na Educação, Porto Alegre, v. 15, n. 1, p. 1-10.

Moran, J. E. and Bacich, L. (2017). Metodologias ativas para uma educação inovadora: Uma abordagem teórico-prática. 1a ed. Porto Alegre: Penso. 260 p.

Moran, J. M. (2012). A Educação que Desejamos: Novos desafios e como chegar lá. 5a ed. Campinas, São Paulo: Papirus.

Oliveira, M. G. et al. (2017). Um Curso de Programação a Distância com Metodologias Ativas e Análise de Aprendizagem por Métricas de Software. Revista Novas Tecnologias na Educação, Porto Alegre, v. 15, n. 1, p. 1-10.

Oliveira, S. A. B. and Mendonça, A. P. (2018). Sala de Aula Invertida - Uma Experiência no Ensino-Aprendizagem de Programação para Administração de Redes de Computadores. Revista Novas Tecnologias na Educação, Porto Alegre, v. 16, n. 1.

Pereira, Z. T. G. and Silva, D. Q. (2018). Metodologia Ativa: Sala de Aula Invertida e suas Práticas na Educação Básica. EICE. Revista Iberoamericana sobre Calidad, Eficacia y Cambio en Educación, 16(4), p. 63-78.

Santos, A. C. et al. (2017). Ensino Híbrido: Relato de Experiência sobre o uso de AVEA em uma proposta de Sala de Aula Invertida para o Ensino Médio. Revista Novas Tecnologias na Educação, Porto Alegre, v. 15, n. 2, p. 1-10.

Santos, L. F. and Tezani, T. C. R. (2018). Aprendizagem Colaborativa no Ensino de História: A Sala de Aula Invertida como Metodologia Ativa? Revista Novas Tecnologias na Educação, Porto Alegre, v. 16, n. 2. p. 1-10.

Schmidt, S. Y. and Ralph, D. (2016). The flipped classroom: a twist on teaching. Contemporary Issues in Education Research (Online), v. 9(1), p. 1-6.

Tucker, B. (2012). The flipped classroom. Education Next, 12(1), p. 82-83.

Valente, J. A. (2014). Blended Learning e as Mudanças no Ensino Superior: a Proposta da Sala de Aula Invertida. In Educar em Revista, Curitiba, PR, Edição Especial, n. 4, p. 79- 97, Editora UFPR.

Zainuddin, Z. Y. and Halili, S. H. (2016). Flipped classroom research and trends from different fields of study. The International Review of Research in Open and Distributed Learning, v. 17(3), p. 313-340.
Publicado
12/07/2019
Como Citar

Selecione um Formato
MARTINS, Ernane; GOUVEIA, Luís. ML-SAI: Um Modelo Pedagógico para Atividades de M-Learning que Integra a Abordagem da Sala de Aula Invertida. In: WORKSHOP SOBRE EDUCAÇÃO EM COMPUTAÇÃO (WEI), 27. , 2019, Belém. Anais do XXVII Workshop sobre Educação em Computação. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Computação, july 2019 . p. 121-130. ISSN 2595-6175. DOI: https://doi.org/10.5753/wei.2019.6623.