Meninas na Computação: uma análise inicial da participação das mulheres nos cursos de Sistemas de Informação do estado de Alagoas

  • José Silva UFAL
  • Letícia Oliveira UFAL
  • André Silva UFAL

Resumo


É notável a significativa diferença entre o percentual de homens e mulheres nos cursos relacionados à Computação. Visando compreender os motivos do baixo número e do alto grau de evasão de meninas matriculadas nesta área, estudos e projetos vêm sendo desenvolvidos, traçando ações para somar mais mulheres ao campo da tecnologia. Assim, este artigo apresenta os níveis de participação feminina nos cursos de Sistemas de Informação do estado de Alagoas, considerando o número de ingressantes e o de estudantes matriculadas, o qual resulta em porcentagens muito baixas quando comparadas ao número de homens neste campo. A partir dos resultados iniciais, são propostas iniciativas de intervenção, voltadas a atrair, reter e aumentar a representatividade do gênero feminino na Computação, discutindo-se acerca da equidade profissional e social entre os gêneros, além de delinear as próximas etapas deste trabalho.

Referências

Epstein, C. (2007) Great divides: the cultural, cognitive, and social bases of the global subordination of women. American Sociological Review, v.12, Fev, p.1- 25.

Gomes, W. (2014) Incentivando meninas do ensino médio à área de Ciência da Computação usando Scratch como ferramenta. n1, p. 1-10.

Gürer, Denise. (2002) Women in Computing History. In: ACM SIGCSE Bulletin, vol. 34, no 2, California, 2002, pp.116-120.

Linkedin. (2017) International Women's Day: Celebrating the Progress of Women Leaders in the Workplace. Disponível em: https://blog.linkedin.com/2017/march/6/international-womens-day-trends-in-women- hiring-and-leadership-linkedin. Acesso em: fev. 2019.

Maisel, Merry. (2000) Tribute to Grace Murray Hopper. Grace Hopper Celebration of Women in Computing. Disponível em: http://www. sdsc.edu/Hopper/GHC_INFO/hopper.html. Acesso em: fev. 2019.

Moreira, J., Silva, R., & Carvalho, M. (2018). Cenários Prospectivos: Uma Visão do Futuro da Presença Feminina em Cursos de Ciência da Computação de uma Instituição de Ensino Superior. In 26o Workshop sobre Educação em Computação (WEI 2018). Porto Alegre: SBC.

OECD. (2012) Education at glance 2012: OECD Indicators. Disponível em: http://dx.doi. org/10.1787/eag-2012-em. Acesso em: fev. 2019.

Oliveira, A. (2014) Perfil Feminino em Computação: Análise Inicial. XXXIV Congresso da Sociedade Brasileira de Computação. n1, p. 1465-1474.

Rapkiewicz, Clevi Elena. Femina Computationalis ou A construção do Gênero na Informática. Tese de Doutorado em Ciências em Engenharia de Sistemas e Computação, UFRJ, Rio de Janeiro, 1998.

Schiebinger, Londa. (2001) O feminismo mudou a ciência? Bauru-SP, EDUSC.

Schwartz, Juliana; Casagrande, Lindamir Salete; Leszczynski, Sonia Ana Charchut and Carvalho, Marilia Gomes de. (2006) Mulheres na informática: quais foram as pioneiras?. Cad. Pagu [online]. 2006, n.27, pp.255-278.

Tabak, Fanny. (2002) O laboratório de Pandora: Estudos sobre a ciência no feminino. Rio de Janeiro, Garamond.

Toole, Betty Alexandra. (1998) Ada Lovelace Biography. Disponível http://www.well.com/user/adatoole/bio.htm. Acesso em: fev. 2019.

Yoctoo. (2019) Yoctoo realiza pesquisa exclusiva para entender quais os desafios nas carreiras das mulheres em tecnologia. Disponível em: https://www.yoctoo.com/en/blog/2019/03/yoctoo-realiza-pesquisa-exclusiva-para- entender-quais-os-desafios-nas-carreiras-das-mulheres-em-tecnologia. Acesso em: fev. 2019.
Publicado
12/07/2019
Como Citar

Selecione um Formato
SILVA, José; OLIVEIRA, Letícia; SILVA, André. Meninas na Computação: uma análise inicial da participação das mulheres nos cursos de Sistemas de Informação do estado de Alagoas. In: WORKSHOP SOBRE EDUCAÇÃO EM COMPUTAÇÃO (WEI), 27. , 2019, Belém. Anais do XXVII Workshop sobre Educação em Computação. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Computação, july 2019 . p. 444-452. ISSN 2595-6175. DOI: https://doi.org/10.5753/wei.2019.6649.