Tecnologias Digitais e Geometria Espacial: contribuições de uma formação de professores na perspectiva do ensino remoto

Resumo


Este artigo tem como objetivo analisar as contribuições de uma formação remota sobre o ensino de Geometria Espacial a partir da utilização de diferentes ferramentas tecnológicas. A formação foi realizada com 15 professores de Matemática, com encontros virtuais, estruturados em 5 encontros síncronos e atividades assíncronas. A pesquisa de abordagem qualitativa utilizou como instrumentos: encontros videogravados, atividades desenvolvidas com o GeoGebra e protocolos do Whatsapp. Os resultados obtidos por meio da análise de conteúdo, indicam contribuições relacionadas com a apropriação e aprofundamento tecnológico; o desenvolvimento profissional e a formação de rede de colaboração.
Palavras-chave: Tecnologias Digitais, Ensino de Geometria, Ensino Remoto

Referências

Alves, L. (2020) Educação remota: entre a ilusão e a realidade: Remote education: between illusion and reality / Educación remota: entre ilusión y realidad. “Interfaces


Científicas”, Aracaju, v. 8, n. 3, p. 348-365, 2020.


Arruda, E. P. (2020) Educação remota emergencial: elementos para políticas públicas na educação brasileira em tempos de Covid-19. “EmRede”: Revista de Educação a Distância, Porto Alegre, v. 7, n. 1, p. 257-275.


Barbosa, C. P. (2011) “Desenvolvimento do Pensamento Geométrico nos anos iniciais do Ensino Fundamental: uma proposta de ensino para professores e formadores de professores”. 2011. 65p. Dissertação (Mestrado Profissionalizante em Educação Matemática da Universidade Federal de Ouro Preto) – Universidade Federal de Ouro Preto, Belo Horizonte.


Bardin, L.(2011). “Análise de conteúdo”. São Paulo: Edições 70.


Brasil. (1998) Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. “Parâmetros Curriculares Nacionais: Matemática”. Brasília.


Brasil. (2006) Ministério da Educação. Secretaria da Educação Média e Tecnológica. “PCN+: Ensino Médio – Orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais”. Brasília, 2006.


Brasil. (2018) Ministério da Educação. “Base Nacional Comum Curricular- BNCC”. Brasília.


Camponez, L. G. B.; Ponté, J. A.; Barrére, E. (2017) “MOOC - Tecnologias Digitais para o Ensino de Geometria”. Juiz de Fora, 2017. 49p.


Castro, J. B. (2016) “Construção do conceito de covariação por estudantes do ensino fundamental em ambientes de múltiplas representações com suporte das tecnologias digitais”. 2016. 275f. – Tese (Doutorado) – Universidade Federal do Ceará, Programa de Pós-graduação em Educação Brasileira, Fortaleza (CE).


Costa, A. R. (2017) A Educação a Distância no Brasil: Concepções, histórico e bases legais. “Rios Eletrônica – Revista Científica da Faculdade Sete de Setembro”. Paulo Afonso, BA, a. 11, n. 12, p. 59-74, 2017.Garrido, Y. P; Leyva, L. M. L (2005). Pensamiento geométrico en los escolares primarios: un modelo didáctico para estimularlo. In: Congresso Internacional de Matemática e computação, 2005, Holguín. Anais eletrônicos... Holguín.


Heck, M. F. (2019) Considerações sobre a base nacional comum curricular (BNCC) e as unidades de conhecimento matemático. “Revista Eletrônica Científica Ensino


Interdisciplinar”. Mossoró, v. 5, n. 13.


Kaleff, A. M. M. R. (2003) Vendo e entendendo poliedros: do desenho ao cálculo do volume através de quebra-cabeças e outros materiais concretos. Niterói: EdUFF.


Lira, A. S.; Leitão, D. A.; Castro, J. B. (2019) Como o Processo de Produção de Mídias pode contribuir para a Formação Docente? “Renote”. Revista Novas Tecnologias na Educação, v. 17, p. 425-434, 2019.


Lorenzato, S. (2006) “Para Aprender Matemática”. Campinas: Autores Associados.


Moita, F.; Viana, L. H. (2019) Um estudo sobre as conexões entre o desenvolvimento do pensamento computacional e o ensino da Geometria. “Anais dos Workshops do VIII Congresso Brasileiro de Informática na Educação (CBIE 2019)”, [S.L.], p. 208-217, 21 nov. 2019. Brazilian Computer Society (Sociedade Brasileira de Computação - SBC). http://dx.doi.org/10.5753/cbie.wcbie.2019.208.


Palloff, R.M.; Pratt, K. (2004) “O Aluno Virtual: um guia para trabalhar com estudantes on-line.” São Paulo: Artmed, 216 p.


Ponte, J. P. (1994) O desenvolvimento profissional do professor de matemática. “Educação e matemática”, p. 9-20, 1994.


Rodrigues, D. S.; Kaiber, C. T. (2019) A Geometria Espacial no Ensino Médio: contribuições da utilização de uma Unidade de Ensino e Aprendizagem (UEA). “Perspectivas da Educação Matemática”, v. 12, n. 28, p. 149-167, dez. 2019.
Publicado
24/11/2020
Como Citar

Selecione um Formato
SOUZA, Danilo do Carmo de; LIRA, Arianny de Sousa; BARBOSA, Francisco Ellivelton; CASTRO, Juscileide Braga de. Tecnologias Digitais e Geometria Espacial: contribuições de uma formação de professores na perspectiva do ensino remoto. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO, 31. , 2020, Online. Anais [...]. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Computação, 2020 . p. 272-281. DOI: https://doi.org/10.5753/cbie.sbie.2020.272.