Análise do Nível de Dificuldade dos Conceitos de Design de Interface de Usuário usando a Teoria de Resposta ao Item

Resumo


O ensino de computação pode ser introduzido na Educação Básica por meio do desenvolvimento de aplicativos com App Inventor, envolvendo não apenas algoritmos e programação, mas também conceitos e práticas de design visual. No entanto, o sequenciamento de unidades instrucionais eficazes precisa ser projetado com base em estimativas quantitativas de dificuldade. Assim, este artigo apresenta os resultados de uma análise em larga escala do nível de dificuldade dos conceitos de design de UI de 1870 projetos App Inventor usando Teoria da Resposta ao Item. Os resultados indicam conceitos mais fáceis (tipografia) e difíceis (imagens e cores), resultantes da falta de um suporte mais alinhado aos guias de design visual no App Inventor.
Palavras-chave: design, interface de usuário, teoria da resposta ao item, TRI, análise de dificuldade

Referências

ACM/IEEE. (2013) Computer Science Curricula 2013: Curriculum guidelines for undergraduate degree programs in computer science. Nova York, NY, EUA.


Agapie, E. & Davidson, A. (2018). Human-centered design charrettes for K-12 outreach. ACM Interactions, 25(6), 74-77.


AIGA. (2019). The Professional Association for Design. Disponível em https://www.aiga.org/


Alves, N. et al. (2019). Uma análise do sequenciamento pedagógico no ensino de computação na educação básica. Anais do Simpósio Brasileiro de Informática na Educação, Brasília/DF.


Basili, V. R., Caldiera, G., Rombach, H. D. (1994). The goal question metric approach. In Encyclopedia of Software Engineering, John Wiley & Sons.


Bortolotti et al. (2012). Avaliação do nível de satisfação de alunos de uma instituição de ensino superior: uma aplicação da Teoria da Resposta ao Item. Gestão & Produção, 19(2), 287-302.


Christensen, K. S. et al. (2016). Towards a formal assessment of design literacy: Analyzing K-12 students' stance towards inquiry. Design Studies, 46, 125-151.


CSTA. (2016). K–12 Computer Science Framework. Disponível em https://k12cs.org/


De Ayala, R. J. (2009). The theory and practice of item response theory. Guilford Press.


Ferreira, M. N. F. et al. (2019a). Learning user interface design and the development of mobile applications in middle school. ACM Interactions, 26(4), 66-69.


Ferreira, M. N. F. et al. (2019b). Ensinando design de interface de usuário na educação básica: um mapeamento sistemático do estado da arte e prática. Anais do Congresso Brasileiro de Informática na Educação. Brasília/DF.


Ferreira, M. N. F. et al. (2020). Ensinando design de interface de usuário de aplicativos móveis no ensino fundamental. Revista Brasileira de Informática na Educação, 28.


Gomes, T. C. & de Melo, J. C. (2013). App inventor for Android: Uma nova possibilidade para o ensino de lógica de programação. Anais dos Workshops do Congresso Brasileiro de Informática na Educação, Campinas, Brasil.


Gresse von Wangenheim, C. G. et al. (2018). CodeMaster – Automatic assessment and grading of App Inventor and Snap! programs. Informatics in Education, 17(1), 117-150.


Grover, S. & Pea, R. (2013a). Computational thinking in K–12: A review of the state of the field. Educational Researcher, 42(1), 38-43.


Kumar, D. S., Purani, K. & Viswanathan, S. A. (2018). Influences of ‘appscape’ on mobile app adoption and m-loyalty. Journal of Retailing and Consumer Services, 45, 132-141.


Li, I., Turbak, F., Mustafaraj, E. (2017). Calls of the wild: Exploring procedural abstraction in App Inventor. Proc. of the IEEE Blocks and Beyond Workshop. Raleigh, NC, USA.


MEC. (2018) Base Nacional Comum Curricular. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf.


Morrison, G. R. et al. (2010). Designing effective instruction, 6th ed., John Wiley & Sons.


Papadakis, S. et al. (2017). The appropriateness of Scratch and App Inventor as educational environments for teaching introductory programming in primary and secondary education. Int. Journal of Web-Based Learning and Teaching Technologies, 12(4), 58-77.


Park, Y., Shin, Y. (2019). Comparing the effectiveness of Scratch and App Inventor with regard to learning computational thinking concepts. Electronics, 8, 1269.


Patten, J., Chao, C. I., Reigeluth, C. M. (1986). A review of strategies for sequencing and synthesizing instruction. Review of Educational Research, 56(4), 437-471.


Rabelo, M. (2013). Avaliação Educacional: fundamentos, metodologia e aplicações no contexto brasileiro. Rio de Janeiro: SBM - Sociedade Brasileira de Matemática.


Robinson, A., Pérez-Quinones, M. A. & Scales, G. (2015). Understanding the attitudes of African American middle school girls toward computer science. Proc. of Research in Equity and Sustained Participation in Engineering, Charlotte, NC, EUA.


Rogers, Y., Sharp, H. & Preece, J. (2011). Interaction design: beyond human-computer interaction (3rd ed.). Chichester: Wiley.


Samejima, F. A. (1969). Estimation of latent ability using a response pattern of graded scores. Psychometric Monograph, 34(4), 2-17.


Schlatter, T. & Levinson, D. (2013). Visual usability: principles and practices for designing digital applications. San Francisco: Morgan Kaufmann.


Solecki, I. et al. (2020a). Estado da prática do design visual de aplicativos móveis desenvolvidos com App Inventor. Revista Brasileira de Informática na Educação, 28.


Solecki, I. et al. (2020b). Automated assessment of the visual design of Android apps developed with App Inventor. Proc. of the 51st ACM Technical Symposium on Computer Science Education, Portland, USA.


Solecki, I. (2020c). Uma abordagem para a avaliação do design visual de aplicativos móveis criados com linguagens de programação baseadas em blocos. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação) – Universidade Federal de Santa Catarina.


Turbak, F. et al. (2014). Events first programming in App Inventor. Journal of Computing Sciences in Colleges, 29(6), 81-89.


Xie, B., & Abelson, H. (2016). Skill progression in MIT App Inventor. Proc. of the IEEE Symposium on Visual Languages and Human-Centric Computing. Cambridge, Inglaterra.
Publicado
24/11/2020
Como Citar

Selecione um Formato
DA CRUZ ALVES, Nathalia; DA SILVA SOLECKI, Igor; VON WANGENHEIM, Christiane Gresse; BORGATTO, Adriano; ROSSA HAUCK, Jean Carlo; FORTUNA FERREIRA, Miriam Nathalie. Análise do Nível de Dificuldade dos Conceitos de Design de Interface de Usuário usando a Teoria de Resposta ao Item. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO, 31. , 2020, Online. Anais [...]. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Computação, 2020 . p. 1563-1572. DOI: https://doi.org/10.5753/cbie.sbie.2020.1563.