Uma Análise Comparativa entre Repositórios de Recursos Educacionais Abertos para a Educação Básica

Resumo


Os Recursos Educacionais Abertos (REA) visam tornar o conhecimento mais livre e acessível para todos. É fundamental a disponibilização de repositórios que promovem a descoberta, o uso e a reutilização de REAs para que estes possam ser melhor utilizados. Diante disso, é relevante avaliar se, no Brasil, os Repositórios de REA (RREA) possuem qualidade para prestar apoio à educação básica. Neste artigo, realizamos uma análise comparativa entre RREA brasileiros voltados para o ensino básico. Forma selecionados repositórios segundo os seguintes critérios: serem nacionais, abrangentes e terem conteúdos voltados exclusiva ou majoritariamente ao ensino básico. Os repositórios selecionados foram avaliados com o uso de Indicadores de Qualidade. Apesar do grande número de RREA disponíveis, a pesquisa revelou um baixo número de RREA voltados ao ensino básico, especialmente os de alto rendimento, o que demonstra que ainda há um caminho a ser percorrido nessa área.

Palavras-chave: Educação Aberta, Recursos Educacionais Abertos, Repositórios de REAs

Referências

Amiel, T. (2012). Educação aberta: configurando ambientes, práticas e recursos educacionais. Salvador: Edufba; São Paulo: Casa de Cultura Digital.

Amiel, T. and Soares, T. C. (2016). Identifying tensions in the use of open licenses in OER repositories. International Review of Research in Open and Distributed Learning, 17(3):122–137.

Atenas, J. and Havemann, L. (2014). Questions of quality in repositories of open educational resources: a literature review. Research in Learning Technology, 22.

Boll, C., Ramos, W., and Real, L. (2018). Dicionário crítico de educação e tecnologias e de educação a distância. pages 51–74.

Borges, F. F., Teixeira, J. A., and Acedo, S. O. (2020). Uso de repositórios de recursos educacionais abertos nas praticas pedagógicas: uma revisão sistemática. Revista Latinoamericana de Tecnologia Educativa-RELATEC, 19(2):115–133.

Butcher, N., Kanwar, A., and Uvalic-Trumbic, S. (2011). A Basic guide to open educational resources (OER). Paris: UNESCO; Vancouver : COL.

Camilleri, A. F., Ehlers, U. D., and Pawlowski, J. (2014). State of the art review of quality issues related to open educational resources (OER).

Comissao-Europeia (2013). Communication from the commission to the european parliament. opening up education: Innovative teaching and learning for all through new technologies and open educational resources. Technical report, European Commission.

da Cidade do Cabo, D. (2007). Declaração da cidade do cabo para educação aberta: Abrindo a promessa de recursos educativos abertos. https://www.capetowndeclaration.org/translations/portuguese-translation. Acessado: 15/07/2020.

dos Anjos, R. A. V. and Alonso, K. M. (2020). Educação a distáncia e os recursos educacionais abertos: compreensoes, possibilidades e perspectivas. In Maciel, C. and Viterbo, J., editors, Computação e Sociedade - Volume 3 - A Sociedade, chapter 19, pages 66–96. EdUFMT, Cuiaba.

Hilu, L., Torres, P. L., and Behrens, M. A. (2015). REA (recursos educacionais abertos), conhecimentos e (des)conhecimentos. Revista e-Curriculum, 13(1):130–146.

Huang, R., D., L., Tlili, A., Knyazeva, S., Chang, T. W., Zhang, X., Burgos, D., Jemni, M., Zhang, M., Zhuang, R., and Holotescu, C. (2020). Guidance on open educational practices during school closures: Utilizing oer under covid-19 pandemic in line with unesco oer recommendation.

Inuzuka, M. A. and Duarte, R. T. (2012). Produção de REA apoiada por MOOC. Salvador: Edufba; São Paulo: Casa de Cultura Digital.

Maciel, C. and Backes, E. M. (2012). Objetos de aprendizagem, objetos educacionais, repositórios e critérios para a sua avaliação. Ambientes virtuais de aprendizagem, 12(1):161–198.

Nesbit, J., Belfer, K., and Leacock, T. (2009). Instrumento para a avaliação de objectos de aprendizagem (LORI): Manual do usuário.

Neto, J. C. d. S. and Junior, J. B. d. J. (2017). Ludificação em engenharia de software: Tornando o processo de desenvolvimento em uma empresa um jogo. Revista de Engenharia e Pesquisa Aplicada, 02(4).

OCDE (2007). Giving Knowledge for Free: The Emergence of Open Educational Resources. OCDE publishing.

Rossi, B., Rossini, C., and Pretto, N. D. L. (2012). Recursos Educacionais Abertos: práticas colaborativas e políticas públicas.

Santos-Hermosa, G., Ferran-Ferrer, N., and Abadal, E. (2017). Repositories of open educational resources: An assessment of reuse and educational aspects. International Review of Research in Open and Distributed Learning: IRRODL, 18(5):84–120.

UNESCO (2002). Forum on the impact of open courseware for higher education in developing countries–Final Report. Technical report, UNESCO.

Zanin, A. A. (2017). Recursos educacionais abertos e direitos autorais: analise de sítios educacionais brasileiros. Revista Brasileira de Educação, 22(71).
Publicado
22/11/2021
Como Citar

Selecione um Formato
MEDEIROS, Rodrigo; DOARTE, Marcos; VITERBO, José; MACIEL, Cristiano; BOSCARIOLI, Clodis. Uma Análise Comparativa entre Repositórios de Recursos Educacionais Abertos para a Educação Básica. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO, 32. , 2021, Online. Anais [...]. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Computação, 2021 . p. 213-224. DOI: https://doi.org/10.5753/sbie.2021.218668.