Internalização de novos membros em equipes de desenvolvimento de software: benefícios e limitações

  • Patricia Moser UFPE
  • Joelson Araújo UFPE
  • Everton Oliveira UFPE
  • Henrique Ferreira UFPE
  • Christiane Pereira UFPE

Resumo

Contexto: A internalização de novos membros em equipes de desenvolvimento de software ocasiona mudanças nas organizações. Objetivo: Investigar os benefícios e limitações da internalização em equipes de desenvolvimento de software. Método: Foi realizado um estudo qualitativo em uma startup de desenvolvimento de software onde a internalização foi observada recentemente. Resultados: Os dados coletados foram analisados utilizando técnicas de codificação qualitativa e os resultados foram verificados e validados com os participantes por meio da verificação de membros. Conclusão: Percebeu-se que a internalização sofre forte influência da cultura da empresa e do acolhimento e integração do time.

Referências

Berger, P. e Luckman, T. (1984). The social construction of reality: a treatise in the sociology of knowledge. London: Penguin Books.

Cameron, K.S. Quinn, R.E. (2006). Diagnosing and Changing Organizational Culture, Jossey-Bass, San Francisco, CA.

Campbell, D., Stonehouse, G., Houston, B. (1999). Business Strategy an Introduction, Butterworth- Heinemann, Oxford.

Capretz, L.F., Ahmed, F., Silva da, F.Q.B. (2017). Soft Sides of Software. Information and Software Technology.

Cunha, A. (2014). A arte da guerra na liderança (2ªEd). Lisboa: TopBooks

Fagerholm, F. and Guinea, A. S. (2014). Onboarding in Open Source Projects. IEEE Software(Volume: 31 , Issue: 6 , Nov.-Dec. 2014 ).

Gil, A. C. (2010). Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. - São Paulo: Atlas.

Harper, M.; Cole, P. Member Checking: Can Benefits Be Gained Similar to Group Therapy? The Qualitative Report, 2012.

Krefting, L. Rigor in qualitative research: The assessment of trustworthiness. The American Journal of Occupational Therapy, 1991.

Merriam, S. B. (2009). Qualitative research: A guide to design and implementation. Journal of Chemical Information and Modeling.

Miranda, R. (2011). Uma Revisão Sistemática Sobre Equipes de Desenvolvimento de Software: Tipologia, Características e Critérios de Formação. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Pernambuco.

Santos, R. E. S., Silva, F. Q. B., Magalhães, C. V. C. and Monteiro, C. V. F. (2016). Building a theory of job rotation in software engineering from an instrumental case study. IEEE/ACM 38th IEEE International Conference on Software Engineering.

Santos, R. E. S. (2015). The Influence of Job Rotation on Motivation and Satisfaction of Software Engineers. Master Thesis in Computer Science. Federal University of Pernambuco, Brazil.

Steinmacher, I., Gerosa, M. A., Redmiles, D. (2014). Attracting, Onboarding, and Retaining Newcomer Developers in Open Source Software Projects. Workshop on Global Software Development in a CSCW Perspective, held in Conjunction with the 17th ACM Conference on Computer Supported Cooperative Work & Social Computing(CSCW’14), 2014.

Schein, E. (1984), Coming to a new awareness of Organizational Culture, Sloan Management Review, Vol. 25, No. 2, 3-16.

Scott, J. (1971). Internalization of Norms: A sociological Theory of Moral Commitment.

Tyler, T. R. (1997). Why people cooperate with organizations. Research in Organization Behavior, 21, 201–246.

Whitehead, J. (2007). Collaboration in Software Engineering: A Roadmap. Future of Software Engineering. IEEE - FOSE'07.
Publicado
2019-07-04
Como Citar
MOSER, Patricia et al. Internalização de novos membros em equipes de desenvolvimento de software: benefícios e limitações. Anais do Workshop sobre Aspectos Sociais, Humanos e Econômicos de Software (WASHES), [S.l.], p. 61-70, jul. 2019. ISSN 2763-874X. Disponível em: <https://sol.sbc.org.br/index.php/washes/article/view/6410>. Acesso em: 18 maio 2024. doi: https://doi.org/10.5753/washes.2019.6410.