Resgate e reabilitação de um aluno autista no ensino Fundamental com uso de tecnologias de informação e comunicação

  • Reisla Rodrigues Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO)
  • Sean Siqueira Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO)

Resumo


Para os autistas as dificuldades na interação social e a dificuldade de comunicação, criam obstáculos quase intransponíveis para acompanhar a série recomendada para a idade numa escola regular sem o apoio psicopedagógico e tecnológico especializado. Questões classificadas como falta de maturidade ou dificuldades de comunicação e expressão ou a falta de repertório social, muitas vezes se sobrepõem ao conteúdo que o aluno possui, gerando um ciclo vicioso que o prende em uma etapa ou fase acadêmica, dificultando o desenvolvimento e aquisição de novas habilidades. Neste artigo descrevemos uma pesquisa-ação do uso de tecnologias educacionais e assistivas para apoiar e reabilitar um aluno do ensino fundamental, de 12 anos, diagnosticado tardiamente com transtorno do espectro autista, permitindo a sua reinclusão na escola regular.

Referências

APA, 2014. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais-DSM-V. Porto Alegre: Artmed.

BARBIER, R., 2002. A pesquisa-ação.. Brasília, Plano Editora.

Beyer, H. O., 2013. Inclusão e Avaliação na Escola. porto alegre: mediação.

Brasil. Ministério da Saúde. , 2014. Diretrizes de Atenção à Reabilitação da Pessoa com Transtornos do Espectro do Autismo (TEA) / Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas.. Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil, 2012. LEI 12.764, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. Institui a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista., s.l.: Brasil.

Ferreira, W. et al., 2018. Panorama das Publicações Nacionais sobre Autismo, Educação e Tecnologia. Fortaleza, s.n.

Gabriel, M., 2013. Educar - a revolução digital na educação. São Paulo: Saraiva.

GREENSPAN, S. & WIEDER, S., 2008. DIR®/Floortime™ Model, s.l.: The International Council on Developmental and Learning Disorders.

Khan, S., 2013. Um mundo, uma escola ("The One World schollhouse"). Rio de Janeiro: Intrínseca.

Mello, A. M. S. R. d., Andrade, M. A., Ho, H. & Souza Dias, 2013. Retratos do autismo no Brasil, São Paulo: AMA - Associação de Amigos do Autista.

Passerino, L. M. & Santarosa, L. M. C., 2006. Possibilidades da mediação tecnológica na inclusão escolar de autistas. Campo Grande, MS, SBC, pp. 256-264.

Santos, V. L. P. d., 2016. Autismo : vivências e caminhos [livro eletrônico]. São Paulo: Blucher.
Publicado
11/11/2019
Como Citar

Selecione um Formato
RODRIGUES, Reisla; SIQUEIRA, Sean. Resgate e reabilitação de um aluno autista no ensino Fundamental com uso de tecnologias de informação e comunicação. In: WORKSHOP DE INFORMÁTICA NA ESCOLA, 25. , 2019, Brasília. Anais [...]. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Computação, 2019 . p. 443-450. DOI: https://doi.org/10.5753/cbie.wie.2019.443.