Estratégia neuropedagógica computacional para promover o desenvolvimento de jovens em áreas de risco e vulnerabilidade social

  • Ana Cavadas Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Raquel Machado Fernandes Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Claudia Motta Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Carla Marques Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Carlo Oliveira Universidade Federal do Rio de Janeiro

Resumo


Este artigo apresenta uma estratégia neuropedagógica computacional baseada no binômio fluência digital + compartilhamento de saberes, onde a fluência digital é impulsionada pela construção de games inteligentes e o compartilhamento de saberes promove o desenvolvimento cognitivo e a atuação social de estudantes do ensino fundamental oriundos de uma localidade de risco e vulnerabilidade social. Através dessa estratégia os estudantes da amostra apresentaram indícios de desenvolvimento sociocognitivo e criaram um game chamado Jardim Radical.

Referências

Bandura, A., Azzi, R.G., Polydoro, S. (2008) "A evolução da teoria social cognitiva, Teoria social cognitiva: conceitos básicos”. Porto Alegre: Artmed: 15-41.

Brackmann, C. P. (2017) “Desenvolvimento do pensamento computacional através de atividades desplugadas na educação básica”, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Cox, K. K. e Bittencourt, R.A. (2017) "Estudo Bibliográfico sobre o Processo de Construção de Jogos Digitais: A Necessidade de Sinergia entre o Educar e o Divertir." Revista Brasileira de Informática na Educação–RBIE 25.1.

Darwin, C. (2005) “A origem das espécies”, Lelo & Irmão.

Darwin, R. (2008) "O gene egoísta”, Trad. Rejane Rubino, Editora Schwarz.

Almeida, L. R. e Mahoney, A.A. (2004) “Constituição da pessoa na proposta de Henri Wallon”, Edições Loyola.

Ferraz, A. P. C. M. e Renato R.V. (2010) "Taxonomia de Bloom: revisão teórica e apresentação das adequações do instrumento para definição de objetivos instrucionais." Gest. Prod., São Carlos 17.2: 421-431.

Freire, P. (1967) “Educação como prática de liberdade”. Rio Janeiro, Ed. Paz e Terra.

Guilford, Joy Paul. (1967) "The nature of human intelligence", McGraw-Hill.

Inhelder, B., Cellérier G. e Gruman, E. (1996) “O desenrolar das descobertas das crianças: um estudo sobre as microgêneses cognitivas”, Artes Médicas

Kreimeier, B. (2002) “The case for game design patterns”, https://www.gamasutra.com/view/feature/132649/the_case_for_game_design_patterns.php, acessado em: 17 de agosto de 2017.

Marques, C.V.M; Motta, C.R.L da; Oliveira, C. E. T. de.(2009) “ A revolução cognitiva: um estudo sobre a teoria de Franco Lo Presti Seminério”. Relatório técnico NCE, n. 0409.

Marques, D. L et al. (2011) “Atraindo alunos do ensino médio para a computação: Uma Experiência Prática de Introdução à Programação utilizando Jogos e Python”. Anais do Workshop de Informática na Escola. p. 1138-1147.https://www.gamasutra.com/view/feature/132649/the_case_for_game_de sign_patterns.php

Marques, C. V. M., Nogueira, E. C. e Brasil, G. (2015) "Game Inteligente: conceito e aplicação." Anais do Seminário de Jogos Eletrônicos, Educação e Comunicação 1.1

Marques, C. V. M. (2017) “Eica - Estruturas Internas Cognitivas Aprendentes: Um Modelo Neuro-Computacional Aplicado À Instância Psíquica Do Sistema Pessoa Em Espaços Dimensionais”. Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Morais, F. et al. (2017) “Computação Afetiva aplicada à Educação: uma revisão sistemática das pesquisas publicadas no Brasil”. In: Brazilian Symposium on Computers in Education (Simpósio Brasileiro de Informática na Educação-SBIE).. p. 163- XXX.

Papert, Seymour M. (1994). A Máquina das Crianças: Repensando a Escola na Era da Informática. Porto Alegre, Artes Médicas, 210 pp.

Seminério, F. L. P., et al. (1979) "O imaginário cognitivo: uma fronteira entre consciência e inconsciente." Arq. Bras. Psicol ., 49.4: 94-107.
Publicado
11/11/2019
Como Citar

Selecione um Formato
CAVADAS, Ana; FERNANDES, Raquel Machado; MOTTA, Claudia; MARQUES, Carla; OLIVEIRA, Carlo. Estratégia neuropedagógica computacional para promover o desenvolvimento de jovens em áreas de risco e vulnerabilidade social. In: WORKSHOP DE INFORMÁTICA NA ESCOLA, 25. , 2019, Brasília. Anais [...]. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Computação, 2019 . p. 773-782. DOI: https://doi.org/10.5753/cbie.wie.2019.773.