Por que as mulheres são minoria nos cursos de computação? Um estudo de caso desta situação na cidade de Ouro Branco-MG

Resumo


O presente trabalho trata-se de um estudo acerca da baixa representatividade do público feminino na área da computação. Foram entrevistados alunos (meninos e meninas) do terceiro ano do Ensino Médio das escolas públicas e privadas em Ouro Branco-MG. A pesquisa analisou se a condição financeira das alunas e o apoio e incentivo que elas recebem da família e da escola são determinantes na escolha por um curso na área de computação. Ao final, foram apontadas questões para um maior aprofundamento.

Palavras-chave: mulheres, tecnologia, baixa representatividade, família, escola, situação financeira

Referências

de Holanda, M. T., Mourão, R., Ramos, G. N., de Araújo, A. P. F., and Walter, M. E. T.(2017). Uma pesquisa com alunas do ensino fundamental e médio sobre os cursos da área de computação. In Anais do XI WIT. SBC.

de Sousa, J. S., de Souza, M. C., Lopes, M. D., and da Rocha Fernandes, A. M. (2017).Mulheres digitais: Uma análise da participação das mulheres nos cursos de ciência da computação e engenharia de computação no brasil e na universidade univali. Anais do Computer on the Beach, pages 404–413.

Gomes, W. F., Louzada, C. S., Nunes, M. A. S. N., Salgueiro, E. M., and Andrade, B. T.(2014). Incentivando meninas do ensino médio à área de ciência da computação usando o scratch como ferramenta. In Anais do Workshop de IE, volume 20, page 223.

Holanda, M., Walter, M. E. M. T., and Araújo, A. P. F. d. (2016). Meninas. comp: Computação também e coisa de menina.

Maia, M. M. (2016). Limites de gênero e presença feminina nos cursos superiores brasileiros do campo da computação.cadernos pagu, (46):223–244.

Mattos, F., Ferreira, V., and Anacleto, J. (2016). O ensino de programação com scratch e seu impacto na opção profissional para meninas. In Brazilian Symposium on Computers in Education (Simpósio Brasileiro de Informática na Educação-SBIE), volume 27, page 300.

Moreira, J. A., Mattos, G. d. O., and Reis, L. (2014). Um panorama da presença feminina na ciência da computação. Anais do XVIII Encontro Internacional da Rede Feminista Norte e Nordeste de Estudos e Pesquisa sobre a Mulher e Relações de Gênero.

Nunes, M., Rodrigues, L. F., Martinhago, A. Z., Soares, L. S., and Reis, R. C. D.(2015). Meninas++: uma iniciativa para fomentar a participação feminina na área de computação.Tecnologias, Sociedade e Conhecimento Campinas, 3(1).

Olinto, G. (2011). A inclusão das mulheres nas carreiras de ciência e tecnologia no brasil. Inclusão Social, 5(1).

Rosa, M. A. G. and Quirino, R. G. (2016). Relações de gênero na ciência e tecnologia(c&t): estudo de caso de um centro federal de educação tecnológica.Diversidade e Educação, 4(8):42–55.

Sales, A., Calado, B., Silva, D. R., Mattos, G. d. O., and Moreira, J. A. (2014). Dificuldades para o ingresso e permanência na ciência e engenharia da computação: um olhar feminino.18th Redor-UFRPE.

Schwartz, J., Casagrande, L. S., Leszczynski, S. A. C., and Carvalho, M. G. d. (2006).Mulheres na informática: quais foram as pioneiras? cadernos pagu, (27):255–278.

Stoilescu, D. and McDougall, D. (2011). Gender digital divide and challenges in under-graduate computer science programs.Canadian Journal of Education, 34(1):308–333.
Publicado
30/06/2020
Como Citar

Selecione um Formato
SIDNEI, Simone S.; MIRANDA, Márcio A.; DE PAULA, Suelen M.. Por que as mulheres são minoria nos cursos de computação? Um estudo de caso desta situação na cidade de Ouro Branco-MG. In: WOMEN IN INFORMATION TECHNOLOGY (WIT), 14. , 2020, Cuiabá. Anais [...]. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Computação, 2020 . p. 259-263. DOI: https://doi.org/10.5753/wit.2020.11306.