Self Protect: Um jogo para auxílio no ensino de conceitos relacionados a Segurança na Internet para Crianças e Adolescentes

  • Fernando Lucas de Oliveira Farias Instituto Metrópole Digital / UFRN
  • Neide Aparecida Alves de Medeiros Instituto Metrópole Digital / UFRN
  • Stênio Lúcio da Rocha Instituto Metrópole Digital / UFRN
  • Daniel Fonseca de Medeiros Instituto Metrópole Digital / UFRN
  • Edith Cristina da Nóbrega UFRN
  • Aquiles Burlamaqui UFRN
  • Charles Madeira UFRN

Resumo


As ameaças originadas por meio do uso da internet de modo inseguro por crianças e adolescentes tem ganhado notoriedade e espaço em debates em todo país, buscando fomentar ações e práticas nas escolas para trabalhar esse tema com o intuito de esclarecer e advertir sobre os problemas do uso inconsciente de navegar na internet. Nesse contexto, este trabalho objetiva conscientizar estudantes através de um jogo de plataforma 2D, intitulado Self Protect, para auxiliar no ensino de conceitos relacionados a segurança na internet para crianças e adolescentes. Destarte, entende-se que o uso de jogos digitais para o ensino possibilita a superação dos métodos tradicionais, por um ambiente atrativo para aprendizagem. O artigo apresenta uma solução lúdica que permite refletir sobre as ameaças presentes na internet.

Referências

Andrade, M. et al. (2012) “Coletando: Desenvolvimento de um jogo para o ensino-aprendizagem no campo da Educação Ambiental”. In: Simpósio Brasileiro de Jogos e Entretenimento Digital – SBGAMES, p.188-191.

Andrade, Pedro Henrique Mota Oliveira de; Almeida, Fábio Barros de; Bittencourt, Roberto Almeida. (2015) “Um Jogo Educacional 2D sobre Trânsito e Cidadania”. In: XIV Simpósio Brasileiro de Games e Entretenimento Digital - SBGames, p.691-694.

Bloom, B.S.et al (1956). Taxonomy of educational objectives: The classification of educational goals. Handbook 1: Cognitive domain. New York: David McKay.

Brasil. (1998) “Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs). Temas Transversais - Ética”. Ensino Fundamental - 5.ª a 8.ª série. Brasilia: MEC/SEF.

Bruner, Jerome Seymour (1960). Process of Education. 1.ed. New York: Vintage Books Random House.

Carvalho, Emerson A.; Reis, Thales A.; Alves, Fábio J. (2017) “Ensino de Noções Básicas de Segurança da Informação nas Escolas Brasileiras”. In: Anais do XXIII Workshop de Informática na Escola (WIE 2017), p. 765-774. DOI: 10.5753/cbie.wie.2017.765.

CGI.br. (2017) “Pesquisa sobre o uso da internet por crianças e adolescentes no Brasil”. [Online. Acesso em 04 de julho de 2017].

Dias, Jéssica David et al. (2016) “Design e avaliação de um jogo educacional de anatomia e fisiologia digestória humana”. In: XV Simpósio Brasileiro de Games e Entretenimento Digital - SBGames, p.288-294. 254

Falcão, Taciana Pontual; Barbosa, Rafael Santos (2015). “Aperta o Play!” Análise da Interação Exploratória em um Jogo Baseado em Pensamento Computacional. In: Anais do XXVI Simpósio Brasileiro de Informática na Educação (SBIE 2015), p. 419-428. DOI: 10.5753/cbie.sbie.2015.419.

Felicia, P. (2012) "Digital Games in schools: a handbook for teachers", European Schoolnet.

Krause, Katiane K.G. et al. (2017) “Jogo Sério para Auxílio no Desenvolvimento do Conceito Multiplicativo”. In: XVI Simpósio Brasileiro de Games e Entretenimento Digital - SBGames, p.269-275.

Likert, R (1932). A technique for the measurement of attitudes. Archives of psychology.

Medeiros, T. J.; Silva, T. R.; Aranha, E. H. S. (2013) “Ensino de programação utilizando jogos digitais: uma revisão sistemática da literatura”. In: Revista Novas Tecnologias na Educação – RENOTE, v.11, n.3.

Novak, J. (2011) “Game development essentials: an introduction”. Ed.Cengage Learning.

Phillips, John (1972). Teoria de Piaget sobre as origens do intelecto. 1.ed. Rio de Janeiro: Universidade Aberta/ Socicultur.

Ponte, C. (2012) “Kids Online na Europa e no Brasil. Desafios para a pesquisa comparada sobre as práticas de crianças e adolescente na Internet”. Comunicação, Mídia e Consumo, 9 (25), 13-42.

Schell, J. (2011) “A Arte de Game Design: O Livro Original”. Rio de Janeiro, Brasil: Elsevier.

Silva, Deivid Eive el al. (2015) “A tecnologia no auxílio à inserção dos temas transversais aos conteúdos das disciplinas do Ensino Fundamental: Uma experiência na Região Norte”. In: Anais do IV Congresso Brasileiro de Informática na Educação (CBIE 2015), p. 703-711.

Silva, Tatyane Souza Calixto da; Melo, Jeane Cecília Bezerra; Tedesco, Patricia Cabral de Azevedo Restelli (2016). Um modelo para promover o engajamento estudantil no aprendizado de programação utilizando gamification. In: Anais dos Workshops do V Congresso Brasileiro de Informática na Educação (CBIE 2016), p. 71-80. DOI: 10.5753/cbie.wcbie.2016.71.

Silva, Thiago Reis da. (2017) “Desenvolvendo a Programação de Jogos Digitais no Ensino Médio: um Relato de Experiência Utilizando a Ferramenta Construct 2”. In: Anais do VI Congresso Brasileiro de Informática na Educação (WCBIE 2017), p. 1142-1151.

Sociedade Brasileira De Computação (2017). “Referenciais de Formação em Computação: Educação Básica”. Disponível em: <http://bit.ly/2LMcevX>. Acesso em 18 jun. 2018.

Tarouco, Liane Margarida Rockenbach et al. (2004) “Jogos educacionais”. Revista Novas Tecnologias na Educação, Rio Grande do Sul, v.2, n. 1.

Veras, M. (2016). “Gestão dinâmica de projetos: Life Cycle Canvas”. Rio de Janeiro: Brasport.
Publicado
11/11/2019
Como Citar

Selecione um Formato
FARIAS, Fernando Lucas de Oliveira; MEDEIROS, Neide Aparecida Alves de; ROCHA, Stênio Lúcio da; MEDEIROS, Daniel Fonseca de; NÓBREGA, Edith Cristina da; BURLAMAQUI, Aquiles; MADEIRA, Charles. Self Protect: Um jogo para auxílio no ensino de conceitos relacionados a Segurança na Internet para Crianças e Adolescentes. In: WORKSHOP DE INFORMÁTICA NA ESCOLA, 25. , 2019, Brasília. Anais [...]. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Computação, 2019 . p. 246-255. DOI: https://doi.org/10.5753/cbie.wie.2019.246.