Desenvolvimento de aplicativos na/para a educação pública: uma parceria entre estudantes do ensino médio e graduandos

  • Elmara Souza Centro Juvenil de Ciência e Cultura de Vitória da Conquista
  • Adriana Sousa Centro Juvenil de Ciência e Cultura de Vitória da Conquista
  • Luísa Moura Universidade de São Paulo

Resumo


Este artigo apresenta a experiência do desenvolvimento de aplicativos para a educação pública por alunos do ensino médio do Centro Juvenil de Ciência e Cultura de Vitória da Conquista-BA em parceria com graduandos. O principal objetivo do projeto é proporcionar a autoria dos estudantes como estratégia para a construção do conhecimento. Os aplicativos TripQuest e CartoGráfico são interdisciplinares e podem favorecer a aprendizagem de forma lúdica. Esta experiência demonstra que é possível criar espaços de autoria para que os jovens das escolas públicas não sejam meros reprodutores e usuários do que já está produzido, mas produtores, autores de conteúdos educacionais.

Referências

Bakhtin, M. (2000). Estética da Criação Verbal. São Paulo, Martinz Fontes.

Brasil (2017). Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC.

British Council. (2015) O ensino do Inglês na Educação Pública Brasileira. São Paulo, SP.. Disponível em https://www.britishcouncil.org.br/sites/default/files/estudo_oensinodoinglesnaeducacaopublicabrasileira.pdf Acessado em 01/06/2018

CJCC 2015. Centro Juvenil de Ciência e Cultura – Documento - Base. Disponível em http://institucional.educacao.ba.gov.br/centrosjuvenis [Acessado em 02/07/2019].

EF Education First (2018).. O Índice de Proficiência em Inglês da EF. Disponível em https://www.ef.com.br/__/~/media/centralefcom/epi/downloads/full-reports/v8/ef-epi-2018-portuguese.pdf Acessado em 01/02/2019.

Silva, W et al. Revista A cor das Letras (2017).. Revista Digital dos Programas de Pós-Graduação do Departamento de Letras e Artes da UEFS Feira de Santana, v. 18, n. Especial, p. 163-181, outubro-dezembro/2017 Disponível em http://periodicos.uefs.br/index.php/acordasletras/article/view/2706 Acessado em 15/08/2018.

Prensky, M. “Não me atrapalhe, mãe - Eu estou aprendendo!” Como os vídeogames estão preparando nossos filhos para o sucesso no século XXI - e como você pode ajudar!; tradução Lívia Bergo - São Paulo: Phorte Editora, 2010.

Santos, S. M. P. A ludicidade como ciência. Petrópolis: Vozes, 2001.

Souza, E. P. (2016). Construção de sentido e autoria na formação de professores para a utilização das tecnologias digitais na educação. In: AXT, Margarete; AMADOR, Fernanda; REMIÃO, Joelma. Experimentações Ético-Estéticas em pesquisa na educação. Panorama Cultural. Porto Alegre.

Souza, E. P.(2013). Cartografia da produção de subjetividade em ambiente virtual de aprendizagem para a formação de docentes online. Tese de doutorado. Faculdade de Educação. Universidade Federal da Bahia, 2013. Disponível em http://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/18167

UNICEF. 2018. Fundo das Nações Unidas para a Infância. http://maratona.brasilmaisti.com.br/docs/Apresentacao_dos_projetos_V4.pdf Acessado em 01/03/2019.
Publicado
11/11/2019
Como Citar

Selecione um Formato
SOUZA, Elmara; SOUSA, Adriana; MOURA, Luísa. Desenvolvimento de aplicativos na/para a educação pública: uma parceria entre estudantes do ensino médio e graduandos. In: WORKSHOP DE INFORMÁTICA NA ESCOLA, 25. , 2019, Brasília. Anais [...]. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Computação, 2019 . p. 531-540. DOI: https://doi.org/10.5753/cbie.wie.2019.531.