Programa Escola de Hackers como vetor de articulação entre pesquisa e extensão

  • Thais Trevisan Universidade de Passo Fundo
  • Adriano Teixeira Universidade de Passo Fundo
  • Milene Giaretta Universidade de Passo Fundo

Resumo


O Programa Escola de Hackers foi criado pela Prefeitura Municipal de Passo Fundo, RS em 2014 e oferece oportunidade de aprendizagem de programação de computadores. Com apoio metodológico da Universidade de Passo Fundo, neste 5 anos beneficiou mais de 900 pessoas com idades de 5 a 70 anos através de suas 4 ações: Berçário de Hackers, Escola de Hackers, Escola de Hackers Avançada e Academia White Hat. Este artigo objetiva apresentar os desdobramentos da frente Escola de Hackers do ponto de vista social e acadêmico.

Referências

PAPERT, Seymour. Teaching children thinking. Massachusetts Institute of Technology

Cambridge, MA, USA, 1971. Disponível em: <https://goo.gl/9is34j>. Acesso em: 28 jun. 2019.

_____. Logo: computadores e educação. São Paulo: Brasiliense, 1985 .

_____. A máquina das crianças: repensando a escola na era da informática. Porto Alegre: Artmed, 2008.

RESNICK, M. Learn to Code, Code to Learn. EdSurge, 2013.

TEIXEIRA, Adriano et al. Programação de computadores para alunos do ensino fundamental: A Escola de Hackers. Anais do XXI Workshop de Informática na Escola (wie 2015) , [s.l.], p.112-121, 26 out. 2015. Sociedade Brasileira de Computação - SBC. http://dx.doi.org/10.5753/cbie.wie.2015.112 .

WING, Jeannette M. Computational thinking: it represents a universally applicable attitude and skill set everyone, not just computer scientists, would be eager to learn and use. Communications of The ACM, v. 49, n. 3, p. 33-35, mar. 2006.
Publicado
11/11/2019
Como Citar

Selecione um Formato
TREVISAN, Thais; TEIXEIRA, Adriano; GIARETTA, Milene. Programa Escola de Hackers como vetor de articulação entre pesquisa e extensão. In: WORKSHOP DE INFORMÁTICA NA ESCOLA, 25. , 2019, Brasília. Anais [...]. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Computação, 2019 . p. 580-588. DOI: https://doi.org/10.5753/cbie.wie.2019.580.