Perfil e Inserção Profissional do Licenciado em Computação no Brasil

  • Lilian Pereira da Teixeira IF Baiano

Resumo


O presente artigo apresenta parte dos resultados de uma tese de doutorado que teve como principal objeto de investigação o desenvolvimento profissional de egressos de cursos de Licenciatura em Computação. No artigo em questão apresentar-se-á dados que contribuem para a compreenssão do perfil dos egressos e do grau de dificuldade e também as potencialidades da inserção profissional do licenciado em Computação. A metodologia da pesquisa pauta-se na abordagem quali-quanti. Os sujeitos participantes são 60 egressos das cinco regiões do Brasil que responderam a um questionário online. Conclui-se que a inserção profissional dos egressos é satisfatória com indicadores de potencialidades, embora os egressos avaliam de forma negativa a inserção profissional sob o aspecto da não existência de oferta consolidada de disciplina na área de computação na Educação Básica.

Referências

Brasil. (2016).”Resolução CNE/CES nº 05, de 16 de novembro de 2016. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Graduação em Computação”.

CNE/MEC. Brasília, 2016. Disponível em http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=52101-rces005-16-pdf&category_slug=novembro-2016-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 10 nov. 2017.

______, Censo do Ensino superior 2016. (2017) INEP/MEC. Brasília. Disponível em http://download.inep.gov.br/educacao_superior/censo_superior/documentos/2016/censo _superior_tabelas.pdf. Acesso em: 10 nov. 2017.

Castro, C. S., Vilarim, G. O. (2013) Licenciatura em Computação no cenário nacional: embates, institucionalização e o nascimento de um novo curso. Revista Espaço Acadêmico. N. 148, p. 18-25. Setembro. Disponível em: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/EspacoAcademico. Acesso em: 08 fev. 2016.

Huberman, M. (2007) O ciclo de vida profissional dos professores. In: NÓVOA, A. (Org.), Vidas de professores. – Porto, Portugal: Editora Porto.

Jick, T. (1979) Mixing Qualitative and Quantitative Methods: triangulation in action. Administrative Science Quarterly, v. 24, n. 4, p. 602-611, dec., 1979. Disponível em: http://www.jstor.org/stable/2392366. Acesso em: 22 maio 2017.

Matos, E. S. (2013) Identidade profissional docente e o papel da interdisciplinaridade no currículo de licenciatura em computação. Revista Espaço Acadêmico. N. 148, p. 26- 34. Setembro. Disponível em: http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/EspacoAcademico> Acesso em: 18 fev. 2016.

Santos, J. M. O.; Pereira, K. A. S.; Abadalla Santos, D. (2017) O uso da programação para atração de mulheres à computação: relatos de experiência. Anais do XXXVII Congresso Brasileiro de Computação. São Paulo. Disponível em: http://portaldeconteudo.sbc.org.br/index.php/wit/article/view/3418/3380. Acesso em: ago. 2018.

Santos, W. O.; Hinterholtz L. T.; Silva, C. C. V.(2017) “Licenciatura em Computação: desafios e oportunidades na perspectiva do professor.” In: Anais do VI Congresso Brasileiro de Informática na Educação (SBIE). XXIII Workshop de Informática na Escola. Disponível em: http://www.br-ie.org/pub/index.php/wie/article/view/7289 Acesso em: 12 set. 2018.

SBC, Educação Superior em Computação. (2017). “Estatísticas do Cursos de Computação 2016”!.Sociedade Brasileira de Computação. Porto Alegre, RS, 2017. Disponível em: http://www.sbc.org.br/documentos-da-sbc/summary/133-estatisticas/1007-estatisticasda-educacao-superior-2017 Acesso em: 27 mar. 2018.

Triola, M. F. (1999) Introdução à Estatística. 7ª Ed. – Rio de Janeiro:LTC.
Publicado
11/11/2019
Como Citar

Selecione um Formato
TEIXEIRA, Lilian Pereira da. Perfil e Inserção Profissional do Licenciado em Computação no Brasil. In: WORKSHOP DE INFORMÁTICA NA ESCOLA, 25. , 2019, Brasília. Anais [...]. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Computação, 2019 . p. 849-858. DOI: https://doi.org/10.5753/cbie.wie.2019.849.