Desenvolvimento do Pensamento Computacional na Ciência da Computação - uma Questão de Gênero?

  • Tamara Ferreira Universidade Federal de Jataí
  • Joslaine Cristina Jeske de Freitas Universidade Federal de Goiás
  • Marcos Wagner Souza Ribeiro Universidade Federal de Goiás
  • Eliane Raimann IFGoias

Resumo


Entende-se por Pensamento Computacional - PC o processo de pensamento da formulação de um problema e na expressão de sua solução de forma que se possa efetivamente efetuá-lo. O objetivo deste trabalho é analisar o nível de desenvolvimento do PC entre homens e mulheres quando entram na faculdade de computação e também durante o curso, com o intuito de apontar se o desenvolvimento do PC pode influenciar no ingresso em cursos de Computação e se realmente existe um crescimento no índice do PC no tempo de formação. Para tanto, desenvolveu-se um questionário baseado nas cinco dimensões do PC (abstração, generalização, modularidade, algoritmo e decomposição). Os resultados mostraram que o desempenho é relativamente igual entre homens e mulheres.

Referências

Araujo, A. L., Andrade, W., and Guerrero, D. (2016). Um mapeamento sistemático sobre a avaliaçao do pensamento computacional no brasil. In Anais dos Workshops do Congresso Brasileiro de Informática na Educação, volume 5, page 1147.

Atmatzidou, S. and Demetriadis, S. (2016). Advancing students’ computational thinking skills through educational robotics: A study on age and gender relevant differences. Robotics and Autonomous Systems, 75:661–670.

Becker, F. (2014). Abstração pseudo-empírica e reflexionante: Significado epistemológico e educacional. Schéme: Revista Eletrônica de Psicologia e Epistemologia

Genéticas. Marília, SP. Vol. 6, n. nesp (2014), p. 104-128.

Blikstein, P. (2008). O pensamento computacional e a reinvenção do computador na educação. Education & Courses.

Brennan, K. and Resnick, M. (2012). New frameworks for studying and assessing the development of computational thinking. In Proceedings of the 2012 annual meeting of the American Educational Research Association, Vancouver, Canada, volume 1, page 25.

Correa, J. and Moura, M. L. S. d. (1997). A solução de problemas de adição e subtração por cálculo mental. Psicologia: reflexão e crítica, 10(1).

Guimond, S. and Roussel, L. (2001). Bragging about one’s school grades: Gender stereotyping and students’ perception of their abilities in science, mathematics, and language. Social psychology of education, 4(3-4):275–293.

HALMANN, A. L., BONILLA, M. H. S., Martins, ´E. d. C., PEREIRA, G. d. d. S., Oliveira,

H. L., Costa, H. M., Silva, L. B. d., SANTOS, P., CASTRO, T., BARRETO, U., et al. (2005). Construção coletiva do saber: uma vivência na faced/ufba. Anais do VI Cinform. Salvador.

Louzada, C. S., Gomes, W. F., Nunes, M., Salgueiro, E. M., Andrade, B. T., and Lima, P. (2014). Um mapeamento das publicações sobre o ingresso das mulheres na computação. In CLEI 2014: Conferência Latino-americana em Informática-VI Congresso da Mulher Latino-americana na Computação. Montevidéu.

Maciel, C. and Bim, S. A. (2017). Programa meninas digitais–ações para divulgar a computação para meninas do ensino médio. Anais do Computer on the Beach, pages 327–336.

Mattos, M. M. (2001). Construção de abstrações em lógica de programação. In Anais do XXI Congresso da Sociedade Brasileira de Computação, Fortaleza.

Pinheiro, A., Franco, J., and Leite, J. (2017). Desenvolvimento do pensamento computacional e discussões sobre representação feminina na computação: um estudo de caso. In Anais dos Workshops do Congresso Brasileiro de Informática na Educação, volume 6, page 1111.

Piva Jr, D. and Freitas, R. L. (2010). Estratégias para melhorar os processos de abstração na disciplina de algoritmos. In Brazilian Symposium on Computers in Education (Simpósio Brasileiro de Informática na Educação-SBIE), volume 1.

Sales, A., Calado, B., Silva, D. R., Mattos, G., and Moreira, J. A. (2014). Dificuldades para o ingresso e permanência na ciência e engenharia da computação: um olhar feminino. 18th Redor-Universidade Federal Rural de Pernambuco-Recife.

Santos, C. P., Silva, D., Silveira, M., and Ferreira, G. (2017). Desafio de programaçao para meninas do ensino médio: Um relato de experiência. In Anais do Workshop de Informática na Escola, volume 23, page 137.

Shashaani, L. (1994). Gender-differences in computer experience and its influence on computer attitudes. Journal of Educational Computing Research, 11(4):347–367.

Spinelli, W. and SOUZA, M. H. (2005). Matemática. Ensino Médio. 1a Edição. Nova Geração. S˜ao Paulo.

Taxa, F. d. O. S. et al. (2001). Problemas multiplicativos e processo de abstração em crianças na 3a série do ensino fundamental.

Ulrich, K. (1994). Fundamentals of product modularity. In Management of Design, pages 219–231. Springer.

Vygotsky, L. S. et al. (2008). Pensamento e linguagem.

Weisgram, E. S. and Bigler, R. S. (2006). Girls and science careers: The role of altruistic values and attitudes about scientific tasks. Journal of Applied Developmental Psychology, 27(4):326–348.

Wing, J. M. (2006). Computational thinking. Communications of the ACM, 49(3):33–35.

Wing, J. M. (2008). Computational thinking and thinking about computing. Philosophical transactions of the royal society of London A: mathematical, physical and engineering sciences, 366(1881):3717–3725.
Publicado
11/11/2019
Como Citar

Selecione um Formato
FERREIRA, Tamara; FREITAS, Joslaine Cristina Jeske de; RIBEIRO, Marcos Wagner Souza; RAIMANN, Eliane. Desenvolvimento do Pensamento Computacional na Ciência da Computação - uma Questão de Gênero?. In: WORKSHOP DE INFORMÁTICA NA ESCOLA, 25. , 2019, Brasília. Anais [...]. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Computação, 2019 . p. 944-953. DOI: https://doi.org/10.5753/cbie.wie.2019.944.