Melhores Práticas para Aplicação de TA na Educação Inclusiva

  • Críscilla M. C. Rezende Universidade Federal de Goiás
  • Ana Carolina Inocêncio Universidade Federal de Goiás

Resumo


Este artigo apresenta as atividades e proposta de intervenção desenvolvidas durante a realização do Estágio Supervisionado, disciplina do curso Bacharelado em Ciências da Computação, da Universidade Federal de Goiás. O estágio foi desenvolvido no Centro de Atendimento Educacional Especializado ́Érica de Melo Barboza, com foco em atividades pautadas na proposta de intervenção, acerca de recursos pedagógicos baseados em software e hardware. A conclusão do estágio contribuiu, ainda que de forma moderada, para a melhoria de aspectos relacionados ao uso de recursos computacionais.

Referências

AAIDD (2010). American Association on Intellectual and Developmental Disabilities. definition of intellectual disability. AAIDD Washington.

Bersch, R. and Tonolli, J. C. (2016). Introdução ao conceito de tecnologia assistiva e modelos de abordagem da deficiencia. 2006. ˆ Acesso em 04 de julho de 2019.

Brasil (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, Centro Gráfico.

Brasil (1999). Lei no 7.853, de 24 de outubro de 1989. Política nacional para a integração da pessoa portadora de deficiência. Presidência da República. Diário Oficial da União.

Brasil (2009). Subsecretaria nacional de promoção dos direitos da pessoa com deficiência. Comitê de Ajudas Técnicas - CAT. Tecnologia Assistiva. Brasília: Corde.

Brasil (2011). Plano nacional dos direitos da pessoa com deficiência - Plano viver sem limite. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos.

CAT (2007). Ata da reunião vii, de dezembro de 2007 do Comitê de Ajudas Técnicas. Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República.

IBGE (2010). Censo demográfico 2010. Características gerais da população, religião e pessoas com deficiências. IBGE: Insituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

Ministério Público (2004). O acesso de alunos com deficiência às escolas e classes comuns da rede regular. Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão.

Nobre, M., Gagliardo, H., Carvalho, K. d., Botega, M., and Sampaio, P. R. (1998). Múltipla deficiência e baixa visão. Neurociências, page 111.

Rezende, C. M. C. and Inocêncio, A. C. G. (2018). Tecnologias assistivas na educação especial brasileira: Um mapeamento sistemático. Anais do III Congresso de Ensino, Pesquisa e Extensão – CONEPE 2018. No prelo.

Ribeiro, C., Porfírio, D., Dos Santos, P. C., Kawashita, I., and Fassbinder, A. (2018). Um estudo preliminar sobre a influência de um jogo digital de bocha no desempenho e aprendizagem de estudantes com deficiência. In Anais do Workshop de Informatica na Escola, volume 24, page 616.

Silva, L., Bellon, O. R., Ferreira, T. S., Azevedo, M. R., and Vieira, F. L. (2005). Projeto visionlinux: integração de ferramentas de acessibilidade para usuários com necessidades especiais. In Anais do Workshop de Informática na Escola, volume 1.
Publicado
11/11/2019
Como Citar

Selecione um Formato
REZENDE, Críscilla M. C.; INOCÊNCIO, Ana Carolina. Melhores Práticas para Aplicação de TA na Educação Inclusiva. In: WORKSHOP DE INFORMÁTICA NA ESCOLA, 25. , 2019, Brasília. Anais [...]. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Computação, 2019 . p. 1444-1448. DOI: https://doi.org/10.5753/cbie.wie.2019.1444.