Role-Playing Games Digitais e Ensino-Aprendizagem com Adolescentes em Contexto Escolar: Interfaces Histórico-Culturais e Psicanalíticas

  • Fernando R. de Lima Junior UFRPE
  • Flávia M. de A. e Peres UFRPE
  • Ladjane de F. R. Caporal FACHO

Resumo


Apresenta-se revisão de literatura, com fundamentos dialéticos entre a psicologia histórico-cultural e a psicanálise, com o objetivo de refletir a potencialidade dos Role-playing games (RPG) digitais como instrumento de ensino-aprendizagem com adolescentes em contexto escolar. Embasa-se em uma concepção sociointeracionista de educação, pensada a partir dos postulados vygotskyanos e da psicanálise, para: expor as origens e a jogabilidade dos RPG, também em sua condição digital, e defender a utilização desses jogos como instrumentos pedagógicos que permitem a internalização (Vygotsky) de conteúdos escolares, considerando a identificação (Lacan) engendrada pelo desejo na construção de tais conteúdos.

Referências

Antonio Júnior, W. (2014). “Jogos digitais e a mediação do conhecimento na perspectiva da psicologia histórico-cultural”. Dissertação – USP, São Paulo.

Brasil, K. C. T. R. et al. (2015). “Adolescência, violência e objetos culturais”, In: Estilos da Clínica, São Paulo, v. 20, n. 2, p. 205-225.

Corrêa, A. L. C. (2017). “Rolando dados, criando histórias, aprendendo História”. Dissertação – UFRGS, Porto Alegre.

Coutinho, L. G. and Carneiro, C. (2016). “Infância, adolescência e mal-estar na escolarização”, In: Psicologia Clínica, Rio de Janeiro, v. 28, n. 2, p. 109-130.

Coutinho, L. G. (2015). “O adolescente e a educação no contemporâneo”, In: Cadernos de Psicanálise, Rio de Janeiro, v. 37, n. 33, p. 155-174.

Felinto, E. (2006). “O pós-humano incipiente”, In: INTERCOM: Revista Brasileira de Ciências da Comunicação, São Paulo, v. 29, n. 2, p. 103-118.

Ferreira, M. V. M. de A. (2016). “O RPG e a leitura”. Dissertação – UFCG, Cajazeiras.

Francisco, S. P. (2014). “Cibercultura, jogos e aprendizado textual”. Tese – PUC, SP.

Freud, S. (2006). “Três ensaios sobre a teoria da sexualidade infantil”, In: Obras Completas. Vol. VII. Rio de Janeiro: Imago.

Gregório, G. de S. (2014). “Do avatar ao sujeito”. Dissertação – UNB, Brasília.

Huizinga, J. (2012). “Homo ludens” 7.ª ed. São Paulo: Perspectiva.

Kelles, N. F. and LIMA, N. L. (2017). “Adolescentes no ciberespaço”, In: Tempo psicanalítico, Rio de Janeiro, v. 49, n. 2, p. 202-233.

Lacadée, P. (2012). “A clínica da língua e do ato nos adolescentes”, In: Responsabilidades, v. 1, n. 2, p. 253-268, Belo Horizonte.

Lima, N. L. de. (2009). “A escrita virtual na adolescência”. Tese - UFMG, Belo Horizonte.

Marins, E. S. (2017). “O uso de Role-Playing Games (RPG) no ensino de Ciências”. Dissertação – USP, Lorena.

Melo, T. F. T. de. (2014). “O Role playing game (RPG) como estratégia para repensar a prática docente em ciências”. Dissertação – UEPB, Campina Grande.

Mendes, D. A. and SILVA, O. S. F. (2017). “A narrativa em jogos digitais”. In: Proceedings of the Seminário Jogos Eletrônicos, Educação E Comunicação [online], 12., 2017, Salvador: UNEB. p. 40 - 48. Available from: http://revistas.uneb.br/index.php/ sjec/article/view/3553 [Acessed 28 jan. 2019].

Mrech, L. M. (2003). “Psicanálise e Educação”. São Paulo: Pioneira Thomson Learning.

Vygotsky, L. S. (2007). “A formação social da mente”. São Paulo: Martins Fontes.
Publicado
02/12/2019
Como Citar

Selecione um Formato
DE LIMA JUNIOR, Fernando R.; DE A. E PERES, Flávia M.; CAPORAL, Ladjane de F. R.. Role-Playing Games Digitais e Ensino-Aprendizagem com Adolescentes em Contexto Escolar: Interfaces Histórico-Culturais e Psicanalíticas. In: CONGRESSO SOBRE TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO (CTRL+E), 4. , 2019, Recife. Anais do IV Congresso sobre Tecnologias na Educação. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Computação, dec. 2019 . p. 339-348. DOI: https://doi.org/10.5753/ctrle.2019.8905.