TEAPET: Desenvolvendo Pets Digitais Voltados para Indivíduos Portadores do Transtorno do Espectro Autista

  • Victoria Gomes UEFS
  • Victor Sarinho UEFS

Resumo


A habilidade de interagir com outras pessoas e estabelecer relações constitui uma competência extremamente importante para viver em sociedade. Para a construção desses laços, é importante saber interpretar sinais emocionais, bem como responder a estes de maneira apropriada. Esse aspecto, no entanto, constitui um déficit em grande parte dos indivíduos portadores do Transtorno do Espectro Autista (TEA), o que faz com que estas pessoas, muitas vezes, possuam relacionamentos mais limitados do que os neurotípicos. A fim de trabalhar essa habilidade, este artigo propõe o desenvolvimento do TEAPET, um jogo que se utiliza das tecnologias e dos aprendizados que podem ser passados com o auxílio de um animal de estimação virtual para que, através da associação entre as expressões faciais do pet e suas necessidades, a criança evolua em relação a interpretação das emoções de terceiros.

Referências

Aguiar, E., Pedreira, L. O., Gomes, V., and Sarinho, V. (2018). Avaliando jogos digitais educativos para indivíduos portadores do transtorno do espectro autista. In Brazilian Symposium on Computers in Education (Simposio Brasileiro de Informática na Educação-SBIE) , volume 29, page 1830.

Altschuler, E. L. (2008). Play with online virtual pets as a method to improve mirror neuron and real world functioning in autistic children. Medical hypotheses, 70(4):748–749.

Association, A. P. et al. (2013). Diagnostic and statistical manual of mental disorders (DSM-5. American Psychiatric Pub.

Barbosa, H. F. A. (2009). Analise do recurso a novas tecnologias no ensino de autistas . PhD thesis, Instituto Politecnico do Porto. Instituto Superior de Engenharia do Porto. Donath, J. (2004). Artificial pets: Simple behaviors elicit complex attachments.

Fletcher-Watson, S. (2014). A targeted review of computer-assisted learning for people with autism spectrum disorder: Towards a consistent methodology. Review Journal of Autism and Developmental Disorders, 1(2):87–100.

Moreira, P. S. T. and Hirschfeld, K. (2005). Autismo: a difícil arte de educar. Guaíba: Universidade Luterana do Brasil–ULBRA–Campus Guaíba.

Passerino, L. M. (2005). Pessoas com autismo em ambientes digitais de aprendizagem: estudo dos processos de interação social e mediação.

Travis, L. L. and Sigman, M. (1998). Social deficits and interpersonal relationships in autism. Mental Retardation and Developmental Disabilities Research Reviews, 4(2):65–72.
Publicado
15/09/2020
Como Citar

Selecione um Formato
GOMES, Victoria; SARINHO, Victor. TEAPET: Desenvolvendo Pets Digitais Voltados para Indivíduos Portadores do Transtorno do Espectro Autista. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE COMPUTAÇÃO APLICADA À SAÚDE (SBCAS), 20. , 2020, Evento Online. Anais [...]. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Computação, 2020 . p. 482-487. ISSN 2763-8952. DOI: https://doi.org/10.5753/sbcas.2020.11544.