Metodologia Didático Simbólica como Alternativa para o Ensino de Programação de Computadores a Alunos Surdos

  • Gil Andrade IFPR
  • Diego Hoss IFPR
  • Ana Barbosa IFPR
  • Lana Gomes IFPR

Resumo


O ensino de programação tem sido adotado como forma de contribuição para a formação de sujeitos científica e tecnologicamente alfabetizados. Contudo, seu processo de aprendizado exige o enfrentamento de desafios por parte dos docentes, principalmente quando os estudantes apresentam algum tipo de necessidade especial. Estudos recentes mostram que o uso de ferramentas visuais, como softwares de ensino, facilita a compreensão dos conteúdos, ainda que utilizadas sem vínculo direto com o material didático. Neste contexto, este trabalho propõe a criação de uma metodologia de ensino de programação voltada aos alunos surdos, chamada Metodologia Didático Simbólica (MDS). A metodologia integra o material didático simbólico e um software educacional

Referências

APOIO INFORMÁTICA, A. (2019). Visualalg. In Disponı́vel em: http://www.apoioinformatica.inf.br/produtos/visualg. Acesso em: 12 de março de 2019.

BRASIL (1997). Decreto - lei 2.208, de 17 de abril de 1997. regulamenta o § 2 o do art. 36 e os arts. 39 a 42 da lei n o 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. In Disponı́vel em: http://www.planalto.gov.br/.

CAVALCANTI, A. M. B. and MENEZES, R. D. (2016). A inclusão de alunos surdos no ifpe campus pesqueira: Um pequeno passo para a garantia do direito à educação. In II CINTEDI: II Congresso Internacional de Educação Inclusiva (II Jornada Chilena Brasileira de Educação Inclusiva).

GOMES, M. C. P. (2015). Os benefı́cios do ensino de lin- guagem de programação no currı́culo regular. In Disponı́vel em: http://www.administradores.com.br/artigos/carreira/os-beneficios-do-ensino-de- linguagem-de-programacao-no-curriculo-regular/89064/. Acessado em: 10 de Março de 2019.

LEBEDEFF, T. B. (2010). Aprendendo a ler “com outros olhos”: relatos de oficinas de letramento visual com professores surdos. In Pelotas: FaE/PPGE/UFPel.

MACEDO, L., PETTY, A. L. S., and PASSOS, N. C. (2003). Os jogos e o lúdico na aprendizagem escolar.

OLIVEIRA, M. L. S. d., SOUZA, A. A. d., BARBOZA, A. F., and BARREIROS, E. F. S. (2014). Ensino de lógica de programação no ensino fundamental utilizando o scratch: Um relato de experiência. In XXXIV Congresso da Sociedade Brasileira de Computação – CSBC.

SANTOS, R. E. S., Magalhães, C. V. C., Neto, J. S. C., and JÚNIOR, S. S. L. P. (2011). Proglib: Uma linguagem de programação baseada na escrita de libras. In XVII Work- shop de Informática na Escola – WIE.

VYGOTSKI, L. S. (1993). Pensamento y lenguage: las raices genéticas del pensamiento y el lenguage. In Obras escogidas II. Madrid: Centro de Publicações del MEC y Visor Distribuiciones.
Publicado
12/07/2019
Como Citar

Selecione um Formato
ANDRADE, Gil; HOSS, Diego ; BARBOSA, Ana ; GOMES, Lana . Metodologia Didático Simbólica como Alternativa para o Ensino de Programação de Computadores a Alunos Surdos. In: WORKSHOP SOBRE EDUCAÇÃO EM COMPUTAÇÃO (WEI), 27. , 2019, Belém. Anais do XXVII Workshop sobre Educação em Computação. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Computação, july 2019 . p. 473-482. ISSN 2595-6175. DOI: https://doi.org/10.5753/wei.2019.6652.