Construindo mapas cognitivos de jogos digitais: um estudo de caso com o jogo Pac-Man

Resumo


Um mapa cognitivo é uma ferramenta usada para caracterizar uma atividade humana em termos de quais aspectos cognitivos são desencadeados com tal atividade. São geralmente utilizados para avaliar funções cognitivas em atividades pedagógicas ou em diagnósticos psicopedagógicos, mas podem ser aplicados a outras tarefas, até mesmo a um jogo. Neste caso, o jogo pode ser utilizado para indicar deficiências em funções cognitivas dos jogadores. Neste artigo é apresentada a proposta de desenvolvimento de mapas cognitivos para caracterização de um jogo digital detalhando sua etapa de concepção e, posteriormente, a validação por especialistas. Como estudo de caso, é proposta a aplicação deste méetodo no jogo digital clássico Pac-Man.

Palavras-chave: Mapa cognitivo, Jogos digitais, Cognição

Referências

Alvarez, J. and Djaouti, D. (2011). An introduction to serious game definitions and concepts. In Serious Games & Simulation for Risks Management, volume 11, p. 11–15.

Avendaño, W. R. and Parada-Trujillo, A. E. (2012). Cognitive map in the process of learning assessment. Investigación y Desarrollo, 20(2):334–365.

Castro, R. and da Silva Brito, G. (2002). Avaliando os alunos com deficiência mental educavel através do método de reuven feuerstein em ambiente informatizado. In Brazilian Symposium on Computers in Education (Simpósio Brasileiro de Informática na Educação-SBIE), volume 1, p. 192–199.

Feuerstein, R. (1997). The coherence of the theory of modifiability, p. 29–36. ICELP Publications.

Feuerstein, R., Feuerstein, R., and Falik, L. H. (2015). Beyond smarter: Mediated learning and the brain's capacity for change. Teachers College Press.

Feuerstein, R., Feuerstein, R. S., Falik, L. H., and Rand, Y. (2002). The dynamic assessment of cognitive modifiability: The Learning Propensity Assessment Device: Theory, instruments and techniques, Rev. and exp. ed. of The dynamic assessment of retarded performers. ICELP Publications.

Feuerstein, R., Klein, P. S., and Tannenbaum, A. J. (1991). Mediated learning experience (MLE): Theoretical, psychosocial and learning implications. Freund Publishing House Ltd.

Feuerstein, R., Rand, Y., and Rynders, J. E. (1988). Don't accept me as I am: helping "retarded" people to excel. Springer Science+Bussiness Media.

Feurstein, R. (1980). Instrumental enrichment: An intervention program for cognitive modifiability. University Park Press.

Gomes, C. M. A. (2002). Feuerstein e a construção mediada do conhecimento. Artmed.

Prensky, M. (2001). Digital Game-Based Learning. McGraw-Hill.

Priberam (2020). Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha].

Raabe, A. L. A. and Giraffa, L. M. M. (2006). Uma arquitetura de tutor para promover experiências de aprendizagem mediadas. In Brazilian Symposium on Computers in Education (Simpósio Brasileiro de Informática na Educação-SBIE), volume 1, p. 278–287.

Silva, S. (2013). A intencionalidade educativa nos jogos matemáticos. PhD thesis, Escola Superior de Educadores na Infância.

Soeira, E. d. R. (2011). Competências e habilidades cognitivas em jogos eletrônicos de simulação. In X Congresso Nacional de Educação - EDUCERE, p. 10444–10457.

Zyda, M. (2005). From visual simulation to virtual reality to games. Computer, 38(9):25–32.
Publicado
22/11/2021
Como Citar

Selecione um Formato
GUEDES, Luciana R.; HOUNSELL, Marcelo da S.; PATERNO, Aleksander S.. Construindo mapas cognitivos de jogos digitais: um estudo de caso com o jogo Pac-Man. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO, 32. , 2021, Online. Anais [...]. Porto Alegre: Sociedade Brasileira de Computação, 2021 . p. 406-416. DOI: https://doi.org/10.5753/sbie.2021.218483.